Crítica: Missão Babilônia

Devemos desconfiar de filmes que prometem histórias inteligentes de ficção científica. Sério. Principalmente quando o diretor do filme, semanas antes da estréia, declara que odiou a versão final e pede pra que não assistam sua obra. É, dá mesmo pra desconfiar.

O filme em questão é Missão Babilônia, com Vin Diesel no papel de um mercenário que recebe a missão de escoltar uma jovem que pode ser a última esperança de uma humanidade em decadência, num futuro cyberpunk com influências dos quadrinhos franceses de Moebius e Enki Bilal. Tirando a última parte, a história lembrou Filhos da Esperança? Pois é, a premissa é a mesma, o final é parecidíssimo, mas tem um problema. Missão Babilônia é mais ou menos a versão do filme com Clive Owen se fosse dirigida por um adolescente da geração MTV.

Sério, a premissa do filme é mesmo boa. Mas o resultado final chega a ser constrangedor. Principalmente quando descobrimos que os planos de um dos personagens incluem implantar inteligência artificial em bebês. Pra quê? Nem Deus sabe!

O diretor, Mathieu Kassovitz, culpou a Fox por cortes e por interferências na produção. Mas, por mais que o estúdio seja famoso por essa prática, coisas como a citada acima estavam no roteiro, faziam parte de uma pretensiosa história de ficção científica, que no final afunda em sua vontade de ser “algo mais”.
Continua...
 
Copyright (c) 2010 Blogger templates by Bloggermint