Crítica: Os Simpsons

Depois de quase 20 anos na TV, Os Simpsons finalmente se tornou um filme para cinema. Uma legião de fãs aguardava pela chance de ver a família amarela pela primeira vez em tela grande. A espectativa sempre foi enorme. Porém, uma coisa que qualquer cinéfilo sabe é que muita espectativa pode significar decepção. Graças a Matt Groenig e aos outros inúmeros roteiristas da versão cinematográfica d’Os Simpsons, isso não aconteceu.

Os Simpsons – O Filme é tudo que qualquer fã espera de um bom episódio da série. E de forma alguma, essa premissa é negativa. Como já dizia o sábio: “Em time que está ganhando, não se mexe”. Então, pra que mudar uma fórmula que funciona tão bem na TV há tanto tempo? É nisso que o filme acerta. Justamente em não tentar se distanciar do original. O pensamento “agora que estamos no cinema vamos exagerar” existe, de certa forma. As piadas são muito mais ácidas do que a TV permite. E ousadia é o que não falta. Tem até nú frontal infantil. Mas tudo muito bem dosado, sem parecer forçado. Não há, em momento algum no filme, a impressão de que tentaram apelar sem necessidade. Tudo, por mais exagerado que pareça, se encaixa tão bem que muita gente nem percebe o quanto é pesado mostrar o Bart bêbado de whisky. Ou ainda, Homer e Marge sendo preparados para transar por um bando de animais desenhados ao estilo Disney.

A história se desenvolve da maneira habitual do seriado, ou seja, começa de um jeito, e depois de várias reviravoltas, chega a um final completamente diferente do esperado. Com a vantagem de ser um final com uma mensagem. Politicamente incorreta, lógico. E, durante o desenrolar do roteiro, inúmeras sacanagens com o mundo “real”. Destaque para a referência ao documentário de Al Gore, Uma Verdade Incoveniente. E para a ligeira menção ao Bono. Impagável.

O filme vale também por participações especiais que vão desde Green Day (que morrem numa sátira ao Titanic sensacional) até Tom Hanks. Sim, ele mesmo. Está lá tirando sarro com a própria cara.

A longa espera pelo filme, afinal, valeu a pena. Claro, há muito mais que se ousar e contar, mas como a Maggie deixa bem claro no final... bem, assistam e descubram (mas tem que assistir até o último crédito).

Continua...

Cenas memoráveis: Um Dia a Casa Cai (sim, de novo)

Sem querer me repetir, mas ja me repetindo... quando fui postar o vídeo da semana passada eu fiquei na dúvida entre duas cenas do filme Um Dia a Casa Cai. Fiz uma escolha, mas não dava pra deixar a outra passar em branco.

Nesta sequência, tão bem montada quanto a da semana passada, o personagem de Tom Hanks passa um sufoco na cozinha. E tudo começa com um simples acender de luz...

A cena termina no banheiro, com Hanks admirando o estrago, dando uma risada que só vendo pra crer!

Detalhe para as expressões de espanto do ator. Confira:

Continua...
 
Copyright (c) 2010 Blogger templates by Bloggermint