Notícias do Dia

Heroes volta a telinha em setembro

Foi anunciada esta tarde a data da estréia da Terceira Temporada do seriado. Em 22 de setembro, a rede de TV NBC coloca no ar um especial de 3 horas que marca o retorno de Heroes depois de uma problemática segunda temporada. Vamos ver se a série consegue voltar a liderança com boas histórias.

Veja dois trechos de O Incrível Hulk

O Yahoo! e a MTV colocaram em seus sites, trechos da nova aventura do verdão nos cinemas. O filme estréia em 13 de junho, com Edward Norton no papel principal, além de Liv Tyler e Tim Roth.

Novo site e trailer russo de Procurado

A adaptação da conceituada Graphic Novel que o mostra um jovem aprendendo a ser um vilão acaba de ganhar seu site completo. Confira.
O filme também teve um novo trailer divulgado, especialmente para o público russo (seu diretor é Timur Bekmambetov). Veja aqui o festival de violência em câmera lenta.
O filme estréia em 27 de junho lá fora, e tem Angelina Jolie, James McAvoy e Morgan Freeman no elenco.

Sinopse e arte conceitual de Terminator Salvation

As filmagens do novo volume de Exterminador do Futuro começaram essa semana e o blog do diretor McG acaba de divulgar a sinopse do filme, além de uma interessante arte conceitual. Confira o texto e depois a imagem abaixo.

No aguardado novo capítulo da franquia O Exterminador do Futuro, ambientada no pós-apocalíptico ano de 2018, Christian Bale interpreta John Connor, o homem destinado a liderar a resistência humana contra a Skynet e seu exército de Exterminadores. Mas o futuro no qual Connor foi criado para acreditar foi parcialmente alterado pela chegada de Marcus Wright (Sam Worthington), um estranho cuja última memória é a de estar no corredor da morte. Connor precisa entender se Marcus foi enviado do futuro ou resgatado do passado. Conforme a Skynet prepara seu massacre final, os dois homens embarcam numa odisséia que os levará até o coração das operações da Skynet, onde eles descobrirão o terrível segredo por trás da possível aniquilação da raça humana.

A estréia ocorre em 9 de maio de 2009.

Veja primeira imagem de Chun-Li novo filme de Street Fighter

A personagem principal da produção será vivida por Kristin Kreuk, a Lana Lang de Smallvillee na sua primeira foto no filme ela está a cara de... er... bem... hmmm... Lana Lang :P

Street Fighter: The Legend of Chun Li estréia em 27 de fevereiro de 2009.
Continua...

Crítica: Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal

Você pode ser uma daquelas pessoas torcendo o nariz para Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal. E não se preocupe, é compreensível. Depois de quase 20 anos longe das telas, o personagem pode ter aquela aura de “descanse em paz”. Sabe, aquele sentimento que nos pega sempre quando uma continuação de algo marcante para nossa infância é anunciada. Principalmente uma série como a do arqueólogo, que se encerrou (pelo menos é o que achávamos) tão bem com A Última Cruzada. Não seria melhor que George Lucas e Steven Spielberg deixassem isso de lado? E Harrison Ford então! O coitado não conseguiu nenhum papel realmente marcante desde seu outro herói, Jack Ryan, o agente da CIA dos livros de Tom Clancy. Pra que mexer num personagem justo agora, você se pergunta. Bem, se esse é o seu caso, vamos a algumas respostas. Primeiro, não, Steven e George não iriam deixar Indy de lado. Primeiro porque é uma franquia lucrativa. E depois, bem, isso leva a resposta da última pergunta, então espere um pouco. Sobre Ford, não há motivo melhor pra ele retomar o chapéu e o chicote. É a chance de mostrar pra quem o conhece como ele continua sendo o maior herói do cinema, e pra quem não o conhece que ele é bem melhor do “coroa” de filmes do naipe de Firewall e outras bombas. Agora, vamos responder a essa ultima pergunta, na verdade a mais simples: o cinema não oferece nada novo e divertido há muito tempo. Um filme-pipoca, feito não só pra quem quer entretenimento, mas pra quem adora cinema e sabe a origem deste tipo de história. A trilogia clássica chamava atenção justamente por seu clima saudosista. Os seriados dos anos 30 foram a inspiração pra caracterização de Indiana Jones, pros temas, pro tipo de ação. Agora, o novo filme também é saudosista, mas de uma maneira muito própria. Antes era a geração de Spielberg e Lucas que se lembrava de como era bom ir ao cinema num sábado a tarde. Agora é a nossa. Nós é que crescemos assistindo Indy, seja na telona ou seja nas sessões da tarde. O diretor e o produtor do filme também passeiam agora por outro gênero: o da ficção científica dos filmes B dos anos 50, justamente a época em que a nova aventura é situada.


E tudo isso valeu a pena? Claro que valeu. Ford ainda é Indiana Jones, aliás, ele nunca esteve tão a vontade com isso. É impressionante como, apesar dos 19 anos sem intepretar o personagem, nada ficou de fora. Seus trejeitos, sua maneira canastrona de enfrentar o perigo, seu humor deliciosamente fora de contexto (quem em sã consciencia pede pra dar marcha a ré quando se está prestes a despencar de uma cachoeira?). Está tudo lá. Talvez a perfeição na interpretação seja para compensar sua idade avançada que já não da conta do recado como nos velhos tempos, fator que também não atrapalha. Indy não é Super-Homem. A idade chegaria um dia e ele abraça isso com perfeição. A música-tema ainda está lá, pra arrepiar qualquer um que nunca a tenha escutado no cinema. Os vilões caricatos também. Aliás, que história é essa dos críticos virem dizer que Cate Blanchett força a barra como a comunista psíquica? Como se a galeria de nazistas e feiticeiros indianos fosse composta por vilões humanizados. O mesmo aqui vale para a trama. Já não é segredo que desta vez o artefato que heróis e bandidos correm atrás é uma caveira de origem alienígena. E ainda há quem reclame, dizendo que está fora dos padrões. É, realmente, fora dos padrões da arca de onde saem raios e fantasmas, das pedras que se incendeiam e do cálice que dá vida eterna. Façam o favor, vocês críticos frustrados: parem de procurar pelo em ovo. Esta quarta aventura é um autêntico filme de Indiana Jones, como os fãs esperaram por quase duas décadas!


Outra polêmica do filme foi a adição de Shia Labeof no elenco, como Mutt. Em primeiro lugar, Shia é um ator e tanto. O garoto é talentoso e Spielberg gosta disso. E seu personagem... sinceramente, depois de tanto tempo fora das telas, alguem realmente duvidou que numa quarta investida, Dr. Henry Jones não voltaria se descobrindo pai? Até o herói kryptoniano citado acima foi vítima de uma paternidade “indesejada”. Mas aqui, com Indy, o contexto funciona. Não que Mutt seja seu substituto. Um garoto aventureiro já caiu nos braços de Spielberg, e ele se chama Tintim. Muito improvável que o diretor caia na armadilha de ser comparado com ele mesmo, se resolver continuar a saga com um jovem Jones. Mesmo que Lucas queira um filme com Mutt, este não é um personagem forte o suficiente para segurar um filme próprio, principalmente sendo uma continuação de uma franquia deste porte. A série sempre será de Indiana. Aliás, as cenas com os dois funcionam muito bem. A sequência da perseguição com a moto por entre o campus da universidade faz uma homenagem a relação pai-filho mostrada em A Última Cruzada. Ford e LaBeof realmente criaram uma química muito boa.


E o retorno de Marion Ravenwood, a única mulher páreo para Indy? Apesar de não ter o tempo de tela que os fãs queriam e nem a importância que deveria ter, Karen Allen continua sendo a mesma. Ela ainda é a unica mulher para o Dr. Jones, sem dúvida. Os outros atores de suporte não fazem feio, apesar de não terem seu talento totalmente aproveitado. Ray Winstone como o sidekick inglês é divertido em todas as suas cenas, mas ainda deixa a desejar. Suas motivações e seu caráter são tão profundos quanto piscina infantil de clube de campo. E Oxley, o colega desaparecido de Jones, interpretado por John Hurt, não convence como convenciam Marcus Brody e o Dr. Henry Jones de ...Cruzada.


Um fator que chama atenção neste quarto filme é a opção de Spielberg em não seguir as regras de hoje. Edição de videoclipe? Bem, se é isso que você busca, está no filme errado. O diretor ainda pode contar com as mãos competentes de Michael Kahn, seu editor há anos e detentor de um incrivel senso criativo. O ritmo do filme continua o mesmo dos originais.


Quanto aos efeitos especiais, pode ser mesmo que haja um abuso de CGI. As cenas com os macacos digitais realmente ficaram um tanto forçadas e até desnecessárias. Mas nem por isso não são divertidas. Apenas não combinam muito com o tipo de ação dos filmes anteriores, sempre privilegiando as proesas feitas “na marra” do que as cheias de efeitos mirabolantes.


Todo esse conjuto de qualidades e defeitos obviamente indicam que Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal não é um filme perfeito. Mas é, pelo menos, sincero. É uma produção que leva, a quem assiste, a um lugar na memória que todos reservamos para os heróis que fizeram parte de uma época em que éramos inocentes o suficiente para nos encontrar presos a poltrona do cinema numa cena de ação bem coreografada. E, como é bom sentir isso de novo. Se você ainda tem dúvidas se um novo Indy era necessário, bem, então você realmente precisa de uma experiência assim.

Continua...
 
Copyright (c) 2010 Blogger templates by Bloggermint