Um Tira da Pesada 4 em 2010?

Pelo menos é o que a Paramount quer. Um acordo do produtor Lorenzo di Bonaventura com o estúdio já está formado. Eddie Murphy volta ao papel do policial Axel Foley, e para dirigir o filme, Brett Ratner, de X-Men 3 e dos três A Hora do Rush é o mais cotado.

Bom, depois de Duro de Matar, Rocky, Rambo e Indiana Jones, só faltavam mesmo Um Tira da Pesada e Máquina Mortífera voltarem às telonas.

Só resta saber quando Mel Gibson e Danny Glover vão resolver interpretar de novo os personagens célebres.

Um Tira Pesada 4 tem estréia prevista para 2010.
Continua...

Cenas Memoráveis - Especial Perseguições

Bullitt (1968)

Considerada a cena de perseguição mais famosa do cinema, com Steve McQueen dirigindo de verdade um Ford Mustang. O outro carro é um Dodge Charger. A cena é impressionante por seu realismo (coisa que não se vê mais hoje, com a maior parte de perseguições feitas com CGI).

Outro destaque é a trilha sonora que para e deixa o espectador ouvir o som que realmente interessa, o dos motores e dos pneus no asfalto.

Como nem tudo é perfeito, reparem no mesmo fusca que teima a aparecer nos mais variados locais. Mas, isso não tira os méritos do filme. Confira.
Continua...

Mais dois banners de Batman - O Cavaleiro das Trevas

A Warner liberou mais dois banners de cinema do novo filme do Morcegão. E o Omelete foi o site brasileiro a divulgar com exclusividade as novas imagens. Confira aqui.

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho.
Continua...

Novo game de Street Fighter sairá para PCs!

Sim, é isso mesmo! Você é um daqueles fãs que estavam preocupados em onde arrumar uma máquina de fliperamas para jogar Street Fighter IV? Ou daqueles que desitiram da idéia de conhecer a nova versão do game porque um XBOX 360 ou um Playstation 3 estão fora do alcance de seu orçamento?

Pois então pode ficar tranquilo. A Capcom anunciou que além das versões acima citadas, Street Fighter IV sairá também para PC.

Em mais novidades sobre o jogo, o site francês Jeuxvideo diz que há fortes indícios para o produto chegar às lojas no final de 2008, mais uma boa notícia já que o lançamento era indicado para 2009/2010.
Continua...

Veja teaser poster de Witchblade

A personagem da Top Cow Comics, que já ganhou série de TV e anime, agora chega aos cinemas pela Platinum Studios. Ainda sem nome para a atriz que viverá a Det. Sarah Pezzini e a heroína Wicthblade, o estúdio já tratou de colocar um teaser poster em alguns cinemas norte-americanos. Confira a imagem abaixo (clique para ampliar).

Pelo visto, o filme vai seguir o estilo sensual dos quadrinhos, coisa que o seriado não conseguiu. Aguarde mais novidades aqui no Re-Enter.
Continua...

Peter Jackson e Guillermo del Toro falam sobre O Hobbit

Fonte: Omelete

Cerca de 6 mil fãs de O Senhor dos Anéis participaram ontem de um chat com o produtor Peter Jackson e o diretor Guillermo del Toro, responsáveis pela adaptação de O Hobbit em dois longas-metragens (dos quais também servem como co-roteiristas ao lado de Fran Walsh e Philippa Bowens).

Jackson estava na sua Nova Zelândia natal, que mais uma vez servirá como a Terra-média, enquanto del Toro falou de Londres. Vinte questões, as mais populares e importantes, foram respondidas pela dupla. Confira abaixo os melhores momentos da conversa.

Jackson e del Toro exaltaram que alguns dos cenários do primeiro filme devem reaparecer, como o Condado dos Hobbits. "Já estamos negociando com o dono da propriedade que foi usada na trilogia O Senhor dos Anéis para reconstruir a vila dos hobbits por lá", disse o produtor e diretor dos três primeiros filmes. Quem também está confirmado pra voltar é o compositor Howard Shore. "Ele é a voz desses filmes e vai voltar", garantiu del Toro.

Não há certeza ainda do retorno de Ian Holm como Bilbo Bolseiro. "O fato é que Ian Holm foi MUITO memorável no filme, então os produtores da Trilogia fizeram seu trabalho direito. Nós devemos utilizá-lo de alguma maneira, com certeza, mas a dificuldade do papel será melhor analisada depois que o roteiro estiver pronto", seguiu del Toro. Ou seja, é provável que veremos o velho Bilbo em algum tipo de cena do futuro, ou no segundo filme, mas sua versão mais jovem deve ser interpretada por outra pessoa.

O diretor falou ainda sobre os elementos de horror e suspense, seus preferidos, nos dois filmes baseados na obra de J.R.R. Tolkien. "Eu espero que a floresta de Mirkwood [que pode ou não contar com uma aparição de Legolas] possa ser bastante assustadora, mas não de uma maneira gráfica. Além disso, espero que as Charadas no Escuro [momento clássico do livro] também tenham elementos de medo e suspense e sejam profundamente atmosféricas. E Smaug deve ser todo choque e fascínio quando lançar seu ódio. Será muito intenso, mas sem nojeiras", afinal, eles buscam uma censura 13 anos, como os primeiros filmes. Quanto ao dublador do dragão, del Toro disse já ter boas idéias, mas não abre o jogo sobre quem está pensando para o papel. Só garante que não será Ron Perlman (com quem trabalhou em Hellboy e Blade II), mas que tem um espaço para o ator no filme.

Sobre Gandalf, o Cinzento, Jackson e del Toro disseram que adoram o personagem e que ele será empregado igualzinho aos livros: Aparecendo e sumindo conforme acha necessário. E que esses "sumiços" geram ótimas lacunas narrativas que podem ser explorados no segundo filme. Ah, e mais uma vez dão como certa a volta de sir Ian McKellen ao papel. Os membros do Conselho Branco também pode dar as caras nos filmes, "mas ainda é cedo pra ter certeza. Estamos pensando a respeito", disse Jackson. Já sobre o preferido dos fãs, Gollum, ele certamente estará no primeiro filme - assim como seu intérprete, Andy Serkis - e pode aparecer no segundo. "Afinal, como todo mundo sabe, ele tem um arco fascinante de história, sua aliança com Laracna, sua prisão em Thranduil, etc. Mas ainda é cedo pra discutirmos isso", comenta del Toro, que diz, para o deleite dos fãs do original, adorar o personagem Beorn e também Tom Bombadil - que foi cortado da trilogia original.

A respeito da filmagem, o cineasta diz ainda que está pensando se o filme deve ser rodado ou não em 3-D. "É muito cedo e não há planos nesse sentido no momento". A única certeza é que os dois filmes serão rodados simultaneamente, em película (não digital e no mesmo formato que os três existentes), ao longo de um ano, com um pequeno intervalo para descanso e para reconstruir alguns sets. "Vamos aproveitar cada set para cenas no filme um e no filme dois ao mesmo tempo", disse o produtor.

Peter Jackson aproveitou para dizer os motivos da contratação de del Toro: "Ele respeita a fantasia. Ele a entende e não tem medo dela. Guillermo também entende personagens e como o poder de qualquer filme está intimamente relacionado à empatia que temos com eles. Ele também tem confiança total em trabalhar com design e efeitos visuais. E é, como a nossa equipe, desprovido de ego".

Para a equipe do filme, basicamente boa parte das pessoas que trabalharam nos primeiros longas estarão de volta. "A idéia em todos os aspectos do filme é manter-se o mais fiel possível aos outros", disse o diretor. O retorno dos desenhistas conceituais Alan Lee e John Howe, por exemplo, é prova dessa intenção.

A seleção de elenco para os personagens que não estavam na Trilogia do Anel, como os treze anões ("pretendo usá-los todos!"), segundo del Toro, ainda não começou. "Mas algumas pessoas já nos procuraram", completou Jackson. Os testes devem começar apenas em alguns meses, quando o roteiro estará pronto. "Neste ponto, obviamente, o segundo filme ainda está sendo pensado - mas, sem a menor dúvida, com relação aos atores que já originaram papéis nos primeiros filmes, todos serão chamados para reprisar seus personagens. Contratar outra pessoa só será cogitado em casos de problemas de saúde, se eles não estiverem disponíveis ou se não quiserem participar", garante o diretor.

Quanto ao tom do filme, tanto Guillermo del Toro como Peter Jackson acreditam que ele deve ser mais leve que seus antecessores, como o livro, já que ele vai refletir a era em que foi criado. Porém, esse tom deve mudar gradualmente, através de paleta de cores, estilo de câmera, escolhas de textura, etc., conforme a narrativa progride em direção à Trilogia do Anel.

"A Terra-média precisa ser a mesma, assim como o estilo da música, a escala, o design consagrado... mas eu adoraria levar alguns novos sabores a esse mundo. O Hobbit é, em essência, a abertura de uma sinfonia épica na qual temas principais são reprisados, mas novas modulações e cores são introduzidas, temática e texturalmente", concluiu o diretor sobre o assunto.

Outra certeza é equilíbrio entre computação gráfica e efeitos especiais de verdade, como prostéticos e bonecos, uma das especialidades de del Toro. "Minha intenção é misturá-los de forma que o olho não perceba a diferença. Aprendi isso na prática, que as duas ferramentas precisam andar juntas para criar ambientes e criaturas que pareçam vivas. A WETA será a equipe principal, mas ampliaremos o time de criaturas e maquiagem. Para o resultado, imagine criaturas com sistema de músculos faciais controlados por rádio e computação gráfica em determinado ponto da cabeça ou boca e você entenderá o que estou falando..."

E por falar em criaturas, o diretor disse que os Wargs, aquelas montarias dos Orcs em As Duas Torres, serão redesenhados para ficarem mais parecidos com os bichos que Tolkien descreve em seu livro. Outra criatura importante é o já citado Smaug, o Dragão, e sobre ele del Toro não poupou palavras: "Sou um grande fã de dragões e meus dragões favoritos do cinema são os de O Dragão e o Feiticeiro (Dragonslayer), um triunfo de elegância e design. Todos copiaram eles a partir desse filme. Eu planejo criar algo que não seja 'aquele dragão no filme do Hobbit', mas O DRAGÃO. Smaug merece ser o melhor de todos, do passado ou futuro. Mas antes disso, Smaug, o personagem, deve ser mais importante que seu design, com sua magnífica arrogância, inteligência, sofisticação e ganância. [...] Mas Dragões falantes são difíceis - as pessoas tendem a fazê-los com bocas que falam como as nossas - e acho meio estranho. Uma coisa que gosto de Eragon é o jeito como o filme resolveu isso, com o elo psíquico. Pra mim, Smaug é o exemplo perfeito de uma criatura poderosa, definida por seu visual e design, sim, mas também por seu movimento e - olha aqui uma dica - seu ambiente. Não vou falar mais pra não estragar algo que ainda vai levar uns anos pra ficar pronto, mas posso dizer que isso é uma das coisas que mais me empolgam no filme".

Sobre a adaptação do texto, del Toro disse que eles tentarão preservar as idiosincrasias do romance, mesmo as mais "infilmáveis", e fazê-las caber em apenas um filme. "Você pode tratar um clássico como peça de museu ou tentar transformá-lo em algo vivo, que respira e se desdobra aqui e agora", diz. Mas se O Hobbit ficará basicamente restrito ao primeiro filme, o que haverá no segundo?

"A idéia é encontrar uma maneira interessante e empolgante de ligar O Hobbit e A Sociedade do Anel e ampliar visualmente os cinco filmes dentro desse universo. Há omissões e material suficiente em toda a obra criada por Tolkien e licenciada a nós para que tentemos isso. Mas o acordo que temos é que o segundo filme seja suficientemente relevante e emocionalmente forte para que seja trazido à vida - e que O Hobbit seja contido em apenas um", seguiu o diretor. "Eu estou muito empolgado com essa idéia. Ela nos dá uma liberdade que não tivemos até agora. Tem muita coisa pra contarmos nos 60 anos que separam um filme do outro [...] E vamos semear sutilmente algumas sementes disso no primeiro", comenta Peter Jackson.

Enfim, del Toro usou todo o final do chat para explicar os motivos de ter aceitado o projeto, já que declarou mais de uma vez no passado, não gostar do gênero "espadas e feitiçaria". "De toda a obra de Tolkien, eu só conhecia de verdade O Hobbit. Eu o comprei quando tinha 11 anos e ele imediatamente me cativou. Naquela época, O Senhor dos Anéis e Silmarillion (que eu acho dispensável hoje), não fizeram a minha cabeça. Achei complicados demais. Eu sonhei com Mirkwood e Smaug durante eras (na verdade, um dragão bem parecido com ele quase entrou em O Labirinto do Fauno) e nunca imaginei que um dia pudesse dirigir um filme de O Hobbit, já que Peter havia realizado a trilogia. Assim, quando ele me perguntou se eu queria levei 5 segundos pra dizer 'sim'. Eu sou conhecido na indústria como um cara muito mais interessado em projetos próprios do que alguém que aceita projetos gigantes dos outros. Durante décadas recusei incontáveis filmes, mas este é um privilégio fantástico e eu aceitei imediatamente", disse, explicando a seguir que seu desdém pela literatura de fantasia se restringe à grande maioria das obras dentro de universos fantásticos, "as tantas Trilogias ou Crônicas que surgem todos os dias", mas que Tolkien e C.S. Lewis (Nárnia) são exceções por serem absolutamente genuínos. "E aqui estou, lendo feito um lunático pra entender toda essa terra, esse continente - um universo criado por um filologista transformado em Xamã".

Peter Jackson, pra completar, explicou os porquês de não ter retornado à cadeira de diretor: "A idéia de passar os próximos cinco anos da minha vida competindo com meus filmes anteriores me pareceu nada satisfatória. No entanto, eu amo Tolkien e não suportaria ver outra pessoa fazendo esses filmes sem meu envolvimento. Assim, atuar como produtor e roteirista me pareceu perfeito. Acreditem, eu pensei muito a respeito e o que estamos fazendo aqui resultará em filmes ainda melhores. Eu prometo!" O cineasta disse ainda que está trabalhando em versões blu-ray de O Senhor dos Anéis, mas disse que elas devem demorar.

O texto original do chat pode ser lido aqui. Diferente do que havia sido informado anteriormente pelo estúdio, o roteiro será trabalhado até o fim de 2008. 2009 será dedicado à pré-produção. 2010 terá as filmagens simultâneas dos dois filmes e os lançamentos estão marcados para dezembro de 2011 (O Hobbit) e dezembro de 2012 (o segundo filme, ainda sem título).

Continua...

Notícias do Dia

Heroes volta a telinha em setembro

Foi anunciada esta tarde a data da estréia da Terceira Temporada do seriado. Em 22 de setembro, a rede de TV NBC coloca no ar um especial de 3 horas que marca o retorno de Heroes depois de uma problemática segunda temporada. Vamos ver se a série consegue voltar a liderança com boas histórias.

Veja dois trechos de O Incrível Hulk

O Yahoo! e a MTV colocaram em seus sites, trechos da nova aventura do verdão nos cinemas. O filme estréia em 13 de junho, com Edward Norton no papel principal, além de Liv Tyler e Tim Roth.

Novo site e trailer russo de Procurado

A adaptação da conceituada Graphic Novel que o mostra um jovem aprendendo a ser um vilão acaba de ganhar seu site completo. Confira.
O filme também teve um novo trailer divulgado, especialmente para o público russo (seu diretor é Timur Bekmambetov). Veja aqui o festival de violência em câmera lenta.
O filme estréia em 27 de junho lá fora, e tem Angelina Jolie, James McAvoy e Morgan Freeman no elenco.

Sinopse e arte conceitual de Terminator Salvation

As filmagens do novo volume de Exterminador do Futuro começaram essa semana e o blog do diretor McG acaba de divulgar a sinopse do filme, além de uma interessante arte conceitual. Confira o texto e depois a imagem abaixo.

No aguardado novo capítulo da franquia O Exterminador do Futuro, ambientada no pós-apocalíptico ano de 2018, Christian Bale interpreta John Connor, o homem destinado a liderar a resistência humana contra a Skynet e seu exército de Exterminadores. Mas o futuro no qual Connor foi criado para acreditar foi parcialmente alterado pela chegada de Marcus Wright (Sam Worthington), um estranho cuja última memória é a de estar no corredor da morte. Connor precisa entender se Marcus foi enviado do futuro ou resgatado do passado. Conforme a Skynet prepara seu massacre final, os dois homens embarcam numa odisséia que os levará até o coração das operações da Skynet, onde eles descobrirão o terrível segredo por trás da possível aniquilação da raça humana.

A estréia ocorre em 9 de maio de 2009.

Veja primeira imagem de Chun-Li novo filme de Street Fighter

A personagem principal da produção será vivida por Kristin Kreuk, a Lana Lang de Smallvillee na sua primeira foto no filme ela está a cara de... er... bem... hmmm... Lana Lang :P

Street Fighter: The Legend of Chun Li estréia em 27 de fevereiro de 2009.
Continua...

Crítica: Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal

Você pode ser uma daquelas pessoas torcendo o nariz para Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal. E não se preocupe, é compreensível. Depois de quase 20 anos longe das telas, o personagem pode ter aquela aura de “descanse em paz”. Sabe, aquele sentimento que nos pega sempre quando uma continuação de algo marcante para nossa infância é anunciada. Principalmente uma série como a do arqueólogo, que se encerrou (pelo menos é o que achávamos) tão bem com A Última Cruzada. Não seria melhor que George Lucas e Steven Spielberg deixassem isso de lado? E Harrison Ford então! O coitado não conseguiu nenhum papel realmente marcante desde seu outro herói, Jack Ryan, o agente da CIA dos livros de Tom Clancy. Pra que mexer num personagem justo agora, você se pergunta. Bem, se esse é o seu caso, vamos a algumas respostas. Primeiro, não, Steven e George não iriam deixar Indy de lado. Primeiro porque é uma franquia lucrativa. E depois, bem, isso leva a resposta da última pergunta, então espere um pouco. Sobre Ford, não há motivo melhor pra ele retomar o chapéu e o chicote. É a chance de mostrar pra quem o conhece como ele continua sendo o maior herói do cinema, e pra quem não o conhece que ele é bem melhor do “coroa” de filmes do naipe de Firewall e outras bombas. Agora, vamos responder a essa ultima pergunta, na verdade a mais simples: o cinema não oferece nada novo e divertido há muito tempo. Um filme-pipoca, feito não só pra quem quer entretenimento, mas pra quem adora cinema e sabe a origem deste tipo de história. A trilogia clássica chamava atenção justamente por seu clima saudosista. Os seriados dos anos 30 foram a inspiração pra caracterização de Indiana Jones, pros temas, pro tipo de ação. Agora, o novo filme também é saudosista, mas de uma maneira muito própria. Antes era a geração de Spielberg e Lucas que se lembrava de como era bom ir ao cinema num sábado a tarde. Agora é a nossa. Nós é que crescemos assistindo Indy, seja na telona ou seja nas sessões da tarde. O diretor e o produtor do filme também passeiam agora por outro gênero: o da ficção científica dos filmes B dos anos 50, justamente a época em que a nova aventura é situada.


E tudo isso valeu a pena? Claro que valeu. Ford ainda é Indiana Jones, aliás, ele nunca esteve tão a vontade com isso. É impressionante como, apesar dos 19 anos sem intepretar o personagem, nada ficou de fora. Seus trejeitos, sua maneira canastrona de enfrentar o perigo, seu humor deliciosamente fora de contexto (quem em sã consciencia pede pra dar marcha a ré quando se está prestes a despencar de uma cachoeira?). Está tudo lá. Talvez a perfeição na interpretação seja para compensar sua idade avançada que já não da conta do recado como nos velhos tempos, fator que também não atrapalha. Indy não é Super-Homem. A idade chegaria um dia e ele abraça isso com perfeição. A música-tema ainda está lá, pra arrepiar qualquer um que nunca a tenha escutado no cinema. Os vilões caricatos também. Aliás, que história é essa dos críticos virem dizer que Cate Blanchett força a barra como a comunista psíquica? Como se a galeria de nazistas e feiticeiros indianos fosse composta por vilões humanizados. O mesmo aqui vale para a trama. Já não é segredo que desta vez o artefato que heróis e bandidos correm atrás é uma caveira de origem alienígena. E ainda há quem reclame, dizendo que está fora dos padrões. É, realmente, fora dos padrões da arca de onde saem raios e fantasmas, das pedras que se incendeiam e do cálice que dá vida eterna. Façam o favor, vocês críticos frustrados: parem de procurar pelo em ovo. Esta quarta aventura é um autêntico filme de Indiana Jones, como os fãs esperaram por quase duas décadas!


Outra polêmica do filme foi a adição de Shia Labeof no elenco, como Mutt. Em primeiro lugar, Shia é um ator e tanto. O garoto é talentoso e Spielberg gosta disso. E seu personagem... sinceramente, depois de tanto tempo fora das telas, alguem realmente duvidou que numa quarta investida, Dr. Henry Jones não voltaria se descobrindo pai? Até o herói kryptoniano citado acima foi vítima de uma paternidade “indesejada”. Mas aqui, com Indy, o contexto funciona. Não que Mutt seja seu substituto. Um garoto aventureiro já caiu nos braços de Spielberg, e ele se chama Tintim. Muito improvável que o diretor caia na armadilha de ser comparado com ele mesmo, se resolver continuar a saga com um jovem Jones. Mesmo que Lucas queira um filme com Mutt, este não é um personagem forte o suficiente para segurar um filme próprio, principalmente sendo uma continuação de uma franquia deste porte. A série sempre será de Indiana. Aliás, as cenas com os dois funcionam muito bem. A sequência da perseguição com a moto por entre o campus da universidade faz uma homenagem a relação pai-filho mostrada em A Última Cruzada. Ford e LaBeof realmente criaram uma química muito boa.


E o retorno de Marion Ravenwood, a única mulher páreo para Indy? Apesar de não ter o tempo de tela que os fãs queriam e nem a importância que deveria ter, Karen Allen continua sendo a mesma. Ela ainda é a unica mulher para o Dr. Jones, sem dúvida. Os outros atores de suporte não fazem feio, apesar de não terem seu talento totalmente aproveitado. Ray Winstone como o sidekick inglês é divertido em todas as suas cenas, mas ainda deixa a desejar. Suas motivações e seu caráter são tão profundos quanto piscina infantil de clube de campo. E Oxley, o colega desaparecido de Jones, interpretado por John Hurt, não convence como convenciam Marcus Brody e o Dr. Henry Jones de ...Cruzada.


Um fator que chama atenção neste quarto filme é a opção de Spielberg em não seguir as regras de hoje. Edição de videoclipe? Bem, se é isso que você busca, está no filme errado. O diretor ainda pode contar com as mãos competentes de Michael Kahn, seu editor há anos e detentor de um incrivel senso criativo. O ritmo do filme continua o mesmo dos originais.


Quanto aos efeitos especiais, pode ser mesmo que haja um abuso de CGI. As cenas com os macacos digitais realmente ficaram um tanto forçadas e até desnecessárias. Mas nem por isso não são divertidas. Apenas não combinam muito com o tipo de ação dos filmes anteriores, sempre privilegiando as proesas feitas “na marra” do que as cheias de efeitos mirabolantes.


Todo esse conjuto de qualidades e defeitos obviamente indicam que Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal não é um filme perfeito. Mas é, pelo menos, sincero. É uma produção que leva, a quem assiste, a um lugar na memória que todos reservamos para os heróis que fizeram parte de uma época em que éramos inocentes o suficiente para nos encontrar presos a poltrona do cinema numa cena de ação bem coreografada. E, como é bom sentir isso de novo. Se você ainda tem dúvidas se um novo Indy era necessário, bem, então você realmente precisa de uma experiência assim.

Continua...

Cenas Memoráveis - Especial HQ

Homem-Aranha 3 (2007)

Pra encerrar essa retrospectiva de momentos marcantes em filmes de quadrinhos, uma sequência extremamente bem feita e bem escrita. Tudo bem que Homem-Aranha 3 não é nem o melhor filme de Sam Raimi e nem passa perto de ser o melhor do Aranha, mas o diretor gosta de imprimir sua marca, de dizer: "Eu estou aqui ainda", mesmo numa produção visivelmente controlada pelo estúdio. O terceiro filme do Aracnídeo sofreu muito com isso. Com a adição de Venom ao roteiro, ficou claro que toda a profundidade do vilão que deveria ter sido o principal, foi por água a baixo. O Homem Areia acabou ficando em segundo plano, mesmo que sua história fosse até mais interessante que o draminha pessoal de Peter Parker.

A sequência abaixo mostra o potencial que o personagem tinha na história. É a sua "criação", a descoberta de seus poderes mostrada de uma forma dramática e tocante, com a ajuda do tema de Christopher Young que ao substituir Danny Elfman na trilha sonora não havia mostrado a que veio, até o momento desta cena. Confira.

Continua...

Highlander será refilmado

Ok, essa notícia fala de um problema que eu estou passando neste exato momento. Por falta do que colocar no blog, sou obrigado a noticiar essa coisa bizarra. E exatamente por não haver mais criatividade em Hollywood, parece que os estúdios estão buscando sucesso no que já funcionou e que nunca deveria ser mexido.

Highlander, o filme original de 1986 é um clássico. As continuações foram ruins exatamente por isso. Não dá pra ser melhor que o primeiro. O filme é o próprio destino dos imortais: só pode haver um. Mas, como se não bastassem os fiascos que vieram com a marca Highlander estampada, agora a história de Connor MacCleod ganhará uma nova versão, pelas mãos da Summit Entertainment que já contratou Art Marcum Matt Holloway (roteiristas de Homem de Ferro) para assumirem o texto.

Ainda não há data para estréia desta provável bomba.
Continua...

Especial Indiana Jones

Origem

George Lucas estava contando o dinheiro ganho com Star Wars e Steven Spielberg respirava aliviado depois de Contatos Imediatos do Terceiro Grau ter sido um enorme sucesso. Os dois estavam em Maui de férias, quando Spielberg contou a Lucas seu desejo de dirigir um filme de James Bond. O gordinho, que não era bobo nem nada e sabia (e ainda sabe) vender seu peixe como ninguém disse que tinha na gaveta um projeto “ainda melhor”. Uma aventura baseada nos antigos seriados dos anos 30 e 40, sobre um arqueólogo caçador de tesouros.


Tudo começou na verdade em 1973, quando Lucas escrevera o roteiro de The Adventures of Indiana Smith. Junto com Philip Kaufman, foi criado o conceito que, semelhante a Star Wars, homenageava os seriados que faziam a alegria nas matinês. O projeto ficou parado, já que a saga espacial parecia ser muito mais importante. De qualquer forma, sem o sucesso de Luke Skywalker e cia., o diretor nunca teria conseguido vender a idéia a um grande estúdio.


Quando se uniu a Spielberg, era a chance de tudo se tornar realidade. Com um diretor com a bagagem de Steven, George podia respirar tranquilo. Ou não. Na verdade, houve divergências entre os dois. No conceito original, Indiana era mais um playboy do que um arqueólogo e se assemelhava muito ao 007 que o diretor de Tubarão tanto queria. Porém, Spielberg achava que o personagem era perfeito com sua vida dupla: a de professor universitário e a de arqueólogo aventureiro. Acabou vingando mais essa última idéia.


A primeira escolha para viver Indiana foi Harrison Ford mas como o ator já havia trabalhado em Star Wars, George Lucas não o queria associado a seus filmes. Sugeriu então a Spielberg que procurasse outro astro. Apareceu o nome de Tom Selleck. Isso mesmo, já imaginou Indiana Jones de bigode? Aliás, Indiana Smith, ainda. Mas, por causa de seu compromisso com o seriado Magnum, Selleck teve de desistir e o papel caiu mesmo no colo de Ford.


Como dito acima, o nome do personagem ainda era Smith, até Spielberg dizer que esse não seria um bom sobrenome: Smith é uma espécie de Silva nos EUA, muito comum (nada contra os Silvas :P). Então, ainda na época em que dava bons nomes a suas criações (assistam a trilogia recente de Star Wars com som original e vocês irão entender), Lucas sugeriu Jones. Pegou. Agora só faltava a produção decolar.


A trilogia e além

Em 1981 chegava aos cinemas Os Caçadores da Arca Perdida. Situado em 1936, o filme mostra Indiana Jones indo atrás da Arca da Aliança, onde estariam as tábuas dos 10 mandamentos. O problema é que Indy não está sozinho nessa e nazistas também a perseguem, já que, segundo a lenda, a Arca traria poder para quem a detivesse. Nesta primeira produção já ficam estipuladas praticamente todas as marcas do herói. A sua habilidade com chicote e armas de fogo, seu medo de cobras, seu sarcasmo e sua maneira nada politicamente correta de tratar as mulheres. Em determinados momentos, o arqueólogo chega a ser mais machista que James Bond. Mas e daí? O filme capta com perfeição como a mulher era vista na época em que se passa e como era mostrada nos filmes do mesmo período. Outra marca registrada é o tema musical, Raiders March, brilhantemente composta por John Williams. Os Caçadores tinha, na época de seu lançamento, a mesma aura de otimismo e inocência que Star Wars trouxe de volta ao cinema, quatro anos antes. Era a volta das grandes aventuras.

Com o sucesso, uma continuação era inevitável. Indiana Jones e o Templo da Perdição saiu em 84, e é na verdade uma prequel: se passa antes do filme original, em 1935. Recém saído de um divórcio, Lucas escreveu um filme muito mais sombrio e violento, voltado para um estilo que chegava próximo ao terror. Desta vez Indy cai na India (literalmente), depois de uma aventura na China (em que aparece de smoking, numa clara homenagem a 007). Lá ele vai parar em um reino em que são feitos todos os tipos de crueldade com os nativos. A idéia do roteiro mais uma vez partiu de George Lucas, mas desta vez os vilões não seriam os nazistas: uma seita sobrenatural parecia ao produtor uma opção mais aceitável para que a continuação não ficasse com cara de “mais do mesmo”. Uma curiosidade: por causa das cenas fortes do filme, Spielberg sugeriu à MPAA que criasse uma nova classificação etária que ficasse entre o adulto e o jovem, não espantando assim o seu alvo. Surge então o PG-13, que hoje virou sinônimo de divergências entre estúdios e diretores. Cabe uma explicação: como essa classificação abrange dois grupos distintos, a maioria dos executivos a querem em seus blockbusters,tirando o controle da mão de quem realmente faz os filmes. O problema é que um PG-13 nos anos 80 era muito mais forte que um R (adulto) de hoje.


Indiana Jones e a Última Cruzada é o resultado de uma promessa de Spielberg a Lucas: a de que ele fecharia a trilogia começada em 81. O filme saiu em 1989 com uma adição ao elenco: Sean Connery como Henry Jones, o pai de Indiana. Nada mais justo ter James Bond nesse papel, na opinião do próprio diretor. O roteiro mostra Indy seguindo os passos do pai, desaparecido quando tentava encontrar o Cálice Sagrado. No meio disso, adivinhem quem também queria beber da taça de Cristo e ter vida eterna? Sim, os vilões preferidos de Spielberg, os nazistas. Se Caçadores da Arca Perdida introduz as marcas de Indy, A Última Cruzada conta suas origens, começando a película com um flashback que mostra até como o aventureiro ganhou sua cicatriz no queixo, marca registrada de Harrison Ford e não de Jones (só isso já dava uma tese de mestrado: quando termina o ator e quando começa o personagem). No flashback, River Phoenix interpreta o jovem que um dia seria o arqueólogo mais famoso do mundo. E se O Templo da Perdição ficou marcado por seu clima pesado, o terceiro filme é o mais leve e engraçado. A química entre Connery e Ford é responsável por momentos hilários que fazem de A Última Cruzada uma aventura para todas as idades. O fechamento perfeito para uma trilogia de sucesso.


Mas, mesmo assim, os fãs pediam mais. Foram 20 anos de espera e agora finalmente o tema de John Williams irá tocar no cinema uma vez mais. O chicote irá de novo proteger o herói de seus inimigos. Sua inteligência irá novamente o tirar de situações que fazem inveja ao McGuyver. E seu medo de cobras e seu jeito canastrão irão tirar gargalhadas de espectadores do mundo todo, novos ou antigos, daqueles que irão matar a saudade ou que vão conhecê-lo agora, pela primeira vez na tela grande. Longa vida à Indiana Jones e ao bom cinema de entretenimento.

Para saber mais

Confira abaixo alguns links e saiba mais sobre as lendas e histórias que inspiraram os 4 filmes de Indy.

A Arca Da Aliança
(matéria do portal G1)

Os Thugees, vilões de Indiana Jones e o Templo da Perdição
(matéria do portal G1)

A lenda do Graal
(Wikipedia)

As 13 Caveiras de Cristal
(Portal Orlando Sentinel - em inglês)

Para mais dados sobre Indiana Jones confira os sites TheRaider.net e IndianaJones.com

Confiram também os novos papéis de parede na nossa área de Downloads.
Continua...

Confira o trailer do novo seriado de J.J. Abrams

Lost ainda tem um longo período pela frente, mas J.J. não descansa. Seu novo seriado promete ser tão maluco quanto um filme de David Lynch e tão misterioso quanto as melhores temporadas de Arquivo X. Preciso dizer mais? Confira abaixo a prévia do que promete ser uma das melhores estréias na TV da próxima temporada.

Continua...

Sai teaser de A Múmia 3

Provavelmente no embalo do novo Indiana Jones, a Universal lançou nesta manhã o teaser do terceiro filme da cinessérie iniciada em 1999. Confira abaixo.


Mais uma vez com Brendan Fraser no papel principal, o filme mostra o Imperador Han (vivido por Jet Li) tentando retomar seu exército na Terra.

A Múmia 3 - A Tumba do Imperador Dragão estréia em 30 de julho.
Continua...

Novo pôster de Batman - O Cavaleiro das Trevas

Ou seria de Coringa - O Palhaço Príncipe do Crime? De qualquer forma o site Batman on Film publicou com exclusividade o novo poster que pode, ou não, aparecer num cinema perto de você. Confira.

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho.
Continua...

Crítica: Speed Racer

Vou me permitir começar essa resenha em primeira pessoa. Quando assisti Transformers ano passado, perdi as esperanças em filmes-família e em adaptações de desenhos clássicos. Sério, cheguei a pensar que a única opção para uma diversão descompromissada e inteligente fossem as animações da Pixar. Pra minha felicidade, me enganei e os Irmãos Wachovski fizeram Speed Racer.


Quem conhece a trilogia Matrix sabe que a idéia dos irmãos diretores sempre foi fazer um anime live-action. Foram bem sucedidos, de certa forma, já que a saga de Neo é toda contada, visualmente, inspirada nos desenhos japoneses. Mas faltava algo: uma maior estilização, que não poderia acontecer pois Matrix era um filme sério demais pra isso. Foi aí que caiu no colo dos dois a adaptação de Speed Racer, um dos primeiros animes a fazer sucesso no ocidente e que tinha uma linguagem caricata e inocente, como todo bom produto destinado à crianças. Era o sonho deles prestes a se tornar realidade. Mas Larry e Andy Wachovski não se contentaram em apenas fazer um filme com linguagem de desenho animado. Como Speed Racer é um filme sobre um garoto e seu carro, nada mais justo do que se render a atual moda do Tunning. Só que o que foi “tunado” é justamente o próprio filme. Desenho animado elevado a décima potência. É essa a sensação que se tem quando as primeiras imagens são projetadas na telona.


Para deixar tudo com mais “cara” de anime, os Wachovski optaram por filmar em estúdio, com os atores na frente de uma parede verde, onde seriam adicionados cenários e efeitos na pós-produção. Não é o primeiro filme feito assim, mas pelo menos foi a primeira vez que o chroma-key (nome dado a essa técnica) foi utilizado com um propósito: o de ajudar a contar a história. É uma forma nova de se mostrar uma passagem de tempo ou uma simples mudança de cena. Aliada a isso está a fotografia, que graças a uma câmera de última geração, pôde dar aspectos de animação 2D a um filme com atores. As cenas em que tudo fica no primeiro plano podem ser a desilusão de muitos diretores, mas verdade seja dita, Speed Racer não seria o mesmo filme sem isso.


Não seria também o mesmo filme se os atores não tivessem abraçado a “causa” dos irmãos-sopa-de-letrinhas. Emile Hirsch, John Goodman, Susan Sarandon, Christina Ricci (se quando ela era pequena, Wednesday Adams era seu papel definitivo, agora é Trixie que cabe como uma luva para a atriz) e principalmente Matthew Fox ficaram extremamente à vontade naquele universo surreal. Isso sem falar em Roger Allam como o vilão-empresário Royalton. Reparem na cena em que ele revela as suas reais intenções e sua verdadeira personalidade. Um grande trabalho de interpretação, sem dúvida. A trama de Speed Racer aliás, segue aquela mesma inocência dos episódios clássicos e coloca os personagens contra um inimigo da humanidade: a ganância. Sim, o filme dá lição de moral e passa uma mensagem, mas sem ser forçado. Ninguém duvida da inteligência do espectador aqui. Por isso mesmo, cenas que poderiam ser consideradas até mesmo violentas, passam despercebidas. Em outra coisa que a inteligência não é posta a prova é o senso de humor. Remando contra a maré, Speed Racer não usa de flatulências para fazer a garotada rir. A dupla formada por Paul Litt (Gorducho) e por um Chimpanzé consegue ser o alívio cômico sem apelar. Só isso já seria suficiente pra fazer o filme valer o ingresso. Infelizmente como nem tudo é perfeito, os diálogos não são lá muito inspirados. Mas isso também tem uma explicação, muito simples: as falas de um desenho animado não ficam boas na boca de um ator. Fato que se comprova aqui, mas não chega a atrapalhar.


E, pra quem espera ver as corridas do trailer, uma notícia ótima. Se você acha que o que viu nas prévias é incrível, espere até ver no filme. Em determinados momentos é impossível não se sentir no banco de carona do Mach 5, ou ainda melhor, no meio da pista, entre os carros. O “carro-fú” como vem sendo chamado, só não agrada se você for muito chato ou algum crítico de cinema frustrado. É tudo muito rápido, mas ao contrário da outra adaptação de desenhos animados citada no começo da resenha, é possível identificar o que está acontecendo na tela. E os efeitos, multi-coloridos, são muito bons, graças a imaginação dos Wachovski. Aos olhos mais atentos, as pistas são um atrativo especial. Isso porque estão cheias de referências culturais que farão muita gente esperar pelo DVD, simplesmente pelo recurso da pausa. A edição também é de encher os olhos. Prova disso são os minutos iniciais que contam a história de Rex Racer, paralela a uma corrida de Speed. Um belo trabalho de edição fragmentada. Ainda na parte técnica, o filme tem a sorte de contar com Michael Giacchino como compositor. Quem conhece seu trabalho na série Lost e na trilha de Os Incríveis viu do que o músico é capaz. Há uma nítida influência em sua composição para Speed Racer, não só da música do próprio desenho, mas também de compositores com Lalo Schifrin (Missão Impossível), Ennio Morricone (Três Homens e uma Sentença) e até John Williams (Indiana Jones, Star Wars), nomes que fazem parte da história do cinema. Louvável a idéia da utilização do tema clássico de Speed de forma sutil até a metade do filme.


Infelizmente, Speed Racer não está fazendo jus a sua qualidade nas bilheterias. Talvez porque os espectadores atuais estejam tão mal acostumados com produções sem cérebro, ou talvez porque a inocência dos anos 60, infelizmente não exista mais. Se isso for verdade, filmes verdadeiros e sinceros como esta produção dos Wachovski só dão mesmo lugar aos Michael Bays da vida com seus Transformers. Uma pena.

Continua...

Notícias do dia!

Confira terceiro comercial de TV de Batman - O Cavaleiro das Trevas

Veja agora no Youtube o novo vídeo que foi ao ar na tv norte-americana ontem. É o melhor até agora.

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho.


Novo pôster de Hellboy 2

O SuperHeroHype divulgou um novo pôster da continuação do filme de 2005, novamente dirigido por Guillermo Del Toro, agora anunciado como o visionário diretor de "Labirinto do Fauno". Veja abaixo (clique na imagem para ampliar).


Veja sinopse da sétima temporada de 24 horas

Mesmo com os péssimos resultados do "Dia 6", Fox está apostando tudo num sétimo dia para Jack Bauer. Além da nova temporada, 24 horas ganhará um telefilme de 2 horas que irá ligar a temporada anterior com a próxima. O longa foi rodado na África do Sul e vai ao ar em 23 de novembro lá fora. Já o seriado, que também já teve todos os episódios filmados, começa em janeiro de 2009. Confira a sinopse oficial abaixo:

"Ambientado em Washington, o 'Dia 7' mostra a CTU desmantelada e Jack Bauer em julgamento. Seu dia começa com uma reviravolta quando o ex-colega Tony Almeida (Carlos Bernard) retorna. Enquanto isso, a presidenta Allison Taylor (Cherry Jones) comanda o país ao lado do chefe de equipe da Casa Branca Ethan Kanin (Bob Gunton) e o seu marido e 'Primeiro-Cavalheiro' Hanry Taylor (Colm Feore).

Uma crise de segurança nacional já coloca de prontidão uma investigação por um time de agentes do FBI que inclui Janis Gold (Janeane Garofalo), Renee Walker (Annie Wersching), Larry Moss (Jeffrey Nordling), Sean Hillinger (Rhys Coiro) e o especialista em segurança Michael Latham (John Billingsley). Embora a CTU não exista mais, Chloe O'Brian (Mary Lynn Rajskub) e Bill Buchanan (James Morrison) estão de volta mais mais um dia de eventos atordoantes."

É, pelo visto os produtores estão investindo em uma história que pode ser diferente do que foi mostrado até agora. Só assim pras aventuras de Bauer voltarem ao topo dos índices de audiência.
Continua...

Cenas Memoráveis - Especial HQ

Motoqueiro Fantasma (2007)

Ok, não estou louco. Motoqueiro Fantasma é uma das mais decepcionantes adaptações de quadrinhos no cinema, mas uma cena do filme "salva" todo o lixo que estava sendo mostrado. É a sequência em que o Motoqueiro e o Caretaker (que já foi o Cavaleiro Fantasma, na época do Velho Oeste) "cavalgam" (por falta de uma palavra melhor) juntos para a cidade onde será a batalha final. A idéia foi muito boa, a cena empolga, ainda mais com a tradicional Ghost Riders in The Sky como trilha sonora. O grande problema (como não poderia deixar de ser) é o final. Ao chegar na cidade, o Caretaker praticamente da um tapinha nas costas do Motoqueiro e fala: - Bom, agora é com você. Po, toda uma sequência dessas, que faz você ficar com vontade ver os dois espíritos da vingança lutar lado a lado, pra isso? Um simples "se vira"? Mas, mesmo assim, ela merece um lugar aqui na nossa sessão. Confira.

Continua...

Novo trailer de Incrível Hulk!

Confira abaixo a nova prévia do filme do Gigante Esmeralda. Desde semana passada o novo vídeo acompanha as cópias americanas de Speed Racer. Agora, ele caiu na net, mas infelizmente, não está em alta definição.



O Incrível Hulk estréia em 13 de junho.
Continua...

Veja a primeira imagem oficial de Goku no filme Dragonball

Este filme está ao lado de Street Fighter como umas das bombas do ano que vem que podem se revelar não tão decepcionantes assim (a esperança é a última que morre, PRINCIPALMENTE para fãs de personagens nipônicos). Mas vamos lá, confira abaixo (clique na imagem para ampliar) Justin Chatwin como Goku, no filme dirigido por James Wong.

Dragonball estréia em 10 de abril de 2009. Tenha medo!
Continua...

Veja agora o trailer de X Files: I Want To Believe

O filme que continua as aventuras de Fox Mulder e Dana Scully nos cinemas acaba de ganhar seu trailer na internet. Você pode conferir aqui em quicktime ou flash.

A estréia acontece em 25 de julho e o filme é dirigido pelo criador do seriado, Chris Carter.
Continua...

Primeiro comercial de TV de Batman - O Cavaleiro das Trevas [ATUALIZADO - mais um comercial e agora em boa qualidade]

Na espera de que uma versão em alta definição apareça logo, assista esta em má qualidade, gravada durante a final do reality show Survivor. Algumas cenas novas na prévia. Vale a pena pela fala de Gordon no final: He does that. Provavelmente se referindo ao Batman desaparecer no meio de alguma conversa, esse tipo de cena é muito familiar para quem lê os quadrinhos do Homem-Morcego.
O vídeo também mostra que o humor de Lucius Fox (Morgan Freeman) está mais afiado do que nunca, num momento digno de filmes do 007, quando Q apresentava alguma bugiganga para o agente secreto.

ATUALIZAÇÃO: Agora no Youtube já se encontra uma versão com qualidade e mais um comercial foi adicionado.

Confira o primeiro e o segundo.

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho.
Continua...

Mais um trailer de Indiana Jones 4!!!

Pois é, achou que aquele trailer da semana passada tinha sido o último? Eu também! Mas, do nada, eis que a Paramount resolve liberar mais uma prévia.

Confira aqui em Quicktime ou Flash

De novo, o quarto filme do arqueólogo mais famoso do cinema não ganhou um trailer decente. Mostra praticamente o que todo mundo já viu com algumas cenas novas extremamente rápidas. Se o filme não fizer o sucesso esperado, a culpa é de quem editou os vídeos promocionais!

Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal estréia dia 22 de maio. Mais uma vez dirigido por Steven Spielberg e com Harrison Ford no papel principal.
Continua...

Mais algumas notícias

Veja 28 novas fotos de Batman - O Cavaleiro das Trevas em alta resolução!

Vejam aqui, antes que a Warner mande apagar (se isso acontecer, não se preocupem, eu posto as mais legais depois).

Continuação de Donnie Darko começa a ser rodada semana que vem (hein?!)

Pois é! Se existe um filme que não precisava de continuação, esse filme é Donnie Darko. A película que revelou o diretor Richard Kelly e o ator Jake Gyllenhaal é excelente e merece ser assistida, com toda certeza. Mas não cabe uma continuação. Porém, é lógico que isso não impede a Fox de ganhar uma graninha com o nome do filme original.

A história mostrará o que acontece sete anos depois do primeiro filme. Samantha Darko, a irmã de Donnie, agora tem 18 anos. Ao lado de seu melhor amigo Corey, ela pega a estrada numa viagem até Los Angeles e começa a ter visões bizarras. Claro, nada mais "lógico"! Ah, e segundo os produtores, aquele coelho, Frank, também estará de volta. De novo, faz todo sentido do mundo! (Alerta de Sarcasmo)

S. Darko será dirigido por Chris Fisher, conhecido (só se for pelos pais dele) por dirigir episódios de séries de TV.

Veja os trailers de Clone Wars, Heroes e Wolverine and the X-Men

Depois desse título, preciso dizer mais alguma coisa? Para a prévia de Star Wars - Clone Wars, clique aqui.

Para um promo da terceira temporada de Heroes, clique aqui.

E, pra finalizar, o trailer da animação Wolverine and The X-Men, você confere aqui.

Divulgada data de estréia de Street Fighter: Legend of Chun Li

É isso aí, anote na sua agenda: 27 de fevereiro de 2009. Passe longe do cinema nesse dia e espere o filme ser lançado em DVD. Bricadeirinha, fãs de Street Fighter, este filme tem tudo pra ser ótimo! (Alerta de Sarcasmo, de novo)


Continua...

Notícias do dia!

Nova área do blog: No menu ao lado você encontra agora um link para papéis-de-parede exclusivos do Re-Enter! Entre lá e customize seu desktop com imagens do filme do Speed Racer! E por falar nisso...

Veja os 7 minutos iniciais de Speed Racer!

Como se aquela inifinidade de trailers não fosse suficiente para divulgar o filme, a Warner liberou através do Yahoo, os 7 primeiros minutos da nova investida dos Irmãos Wachowski. Bom, serve pra analisar se vale a pena gastar seu dinheiro indo ao cinema neste final-de-semana. Confira.



Filme do Thor pode ter perdido o diretor

Na mesma semana que a Marvel oficializou até data de lançamento pro filme baseado no Deus Nórdico, o nome de Matthew Vaughn misteriosamente sumiu dos comunicados da empresa a respeito da adaptação. O diretor de Nem Tudo é o que Parece andou reclamando uns tempos atrás sobre a demora na produção do filme. Vaughn na verdade reclamou de mais coisas, como mais controle artístico, a escolha do ator para viver o personagem principal e sobre onde filmar (o diretor quer na Inglaterra e a Marvel, no Canadá, por ser mais barato).

Se a notícia se confirmar, o filme perde seu maior reforço. Apesar de ser meio chato, Matthew Vaughn é um diretor competente que poderia trazer algo novo em adaptações de quadrinhos.

O filme segue marcado para estréia em 4 de junho de 2010.

Frank Miller pode dirigir Buck Rogers

Um boato interessante foi levantado pelo IGN. Segundo o site a Nu Image/Millennium Films adquiriu os direitos para transformar Buck Rogers, famoso personagem no estilo Flash Gordon, em filme. O site continua e diz que o projeto pode ser a próxima investida de Frank Miller no cargo de diretor, depois que ele completar The Spirit.

Como é boato, encare com desconfiança. Mas, se for verdade, vamos esperar que Miller não faça um Sin City espacial.
Continua...

Cenas Memoráveis - Especial HQ

V de Vingança (2006)

A adaptação da Graphic Novel de Alan Moore foi o único filme baseado em uma de suas histórias que realmente vale a pena assistir. Fiel a obra, mesmo com algumas "atualizações", V de Vingança está também na lista de um dos filmes mais subversivos da história. Afinal, o "herói" é um terrorista que prega o anarquismo num país governado por um ditador conservador e extremamente religioso. Quer mais? Vai a pergunta: que outro filme te deixa empolgado em uma cena em que um ato de terror destrói um símbolo inglês?

Continua...

Crítica: Homem de Ferro

Nos últimos 10 anos o cinema viu uma invasão de adaptações de quadrinhos da Marvel (de outras editoras também, mas a Marvel ganha disparado). Foram filmes bons, como o primeiro Blade, X-Men, Homem-Aranha e bombas homéricas como Elektra e Motoqueiro Fantasma. E também existem os medianos como o divertido Quarteto Fantástico. Quando Homem de Ferro foi anunciado, não estava exatamente claro que linha a adaptação iria seguir. Com a contratação de Jon Favreau para dirigir então, ficou ainda mais obscuro o direcionamento do filme, já que o diretor estava acostumado mais a atuar do que comandar uma produção, principalmente um blockbuster. Foi aí então que anunciaram o nome de Robert Downey Jr. para viver Tony Stark/Homem de Ferro. E é importante ressaltar: o trabalho final pertence ao ator, que provavelmente entrega uma de suas mais inspiradas interpretações. O personagem tem muito em comum com Downey Jr. Ambos vivem uma vida desregrada e cheia de excessos. Bom, pelo menos o ator já superou essa fase, mas é impossível não comparar. 

Quanto ao filme, graças a própria Marvel temos desta vez uma das melhores películas baseadas em seus personagens. Isso porque a editora inaugurou uma divisão de produções cinematogáficas que garante um certo controle não existente nos filmes anteriores. Finalmente quem manda agora é quem entende do assunto e não quem está interessado apenas em vender bonequinhos. E não que a história seja extremamente complexa e profunda. Não vá ao cinema esperando um Batman Begins ou o dramalhão do Homem-Aranha. É uma aventura despretensiosa e divertida (o que não significa que seja um filme família como os filmes do Quarteto), com uma certa mensagem anti-guerra embutida (embora não muito eficiente a partir do momento que o herói vai ao Afeganistão e chacina alguns terroristas). O filme mostra a origem do personagem depois de ser sequestrado no Oriente Médio e obrigado a fabricar uma poderosa arma. Ao invés da arma, Stark constrói uma armadura para fugir. Voltando aos Estados Unidos resolve aperfeiçoar a roupa e se torna o Homem de Ferro para, entre outras coisas, enfrentar seu ex-sócio, Obadiah Stane (Jeff Bridges, muito a vontade no papel) que rouba os esquemas da armadura original e se torna o Monge de Ferro, um vilão sem muitas pretensões a não ser ganhar dinheiro. Junte a isso uma introdução ao romance de Tony Stark e Pepper Potts (Gwyneth Paltrow) e a amizade do protagonista com Jim Rhodes (Terrence Howard), o futuro Máquina de Combate (uma referência a isso no filme é hilária). 

Para os fãs, é bom dizer que a origem está muito bem amarrada e fiel. Atualizada aos tempos atuais de forma a dar credibilidade a todo o contexto em que a aventura acontece. E, pela primeira vez num filme da Marvel, há a menção da criação de um universo de personagens que se ligam. Durante o filme temos, de maneira sutil, a criação da SHIELD, que deixa claro a que veio, pelo menos aos espectadores mais atentos. A cena após os créditos é uma prova disso, que já deixa um gancho para outras produções. Em termos de referências, quem é fã do personagem precisa assistir o filme umas duas vezes pelo menos, para poder captar tudo que o roteiro anuncia para o futuro do Homem de Ferro no cinema. E, antes que você pergunte, Stan Lee está mais uma vez fazendo uma participação num filme baseado em personagem criado por ele. E parece que Lee está gostando de participações engraçadas.

Quanto aos efeitos especiais, o filme não faz feio. As armaduras estão muito bem feitas e seus movimentos também. E a trilha sonora merece uma menção honrosa. Assistir um filme de super-herói com AC/DC ao fundo realmente é uma experiência muito melhor.

Como fez bonito na bilheteria, Homem de Ferro já garantiu sua continuação para 2010. Com Downey Jr. mais do que certo no papel principal. E com a estréia de Incrível Hulk (mais um filme financiado pela editora) no mês que vem, a Marvel pode agora respirar sossegada e continuar o seu universo no cinema, do jeito que os fãs sempre quiseram.
Continua...

Nine Inch Nails libera novo álbum de graça!


Você não leu errado e essa não é uma notícia velha. Depois de ter lançado um projeto instrumental dividido em quatro álbuns em março (sendo que um, também liberado para download gratuito) o Nine Inch Nails acaba de lançar mais um trabalho.

The Slip, "disco" com 10 faixas pode ser baixado a partir do site oficial da banda em vários formatos com altíssima qualidade de áudio.

Em julho, os fãs poderão adquirir The Slip em CD ou vinil.
Continua...

Site de The Dark Knight finalmente no ar e vaza arte conceitual do Duas Caras

O site do novo filme do Batman não via a luz de uma atualização desde a morte de Heath Ledger, mas agora finalmente a pagina ganha um novo visual. Ainda não há conteúdo mas vale pela abertura em flash. Veja aqui.

Em outra notícia relacionada ao filme, vazou na internet uma arte conceitual do provável visual do Duas Caras em The Dark Knight e em sua continuação. A autenticidade da imagem não estava sendo levada a sério até a Warner pedir pro site que a publicou tirá-la do ar. Confira abaixo. É perturbador!

Batman - O Caveleiro das Trevas, como será chamado por aqui, estréia em 18 de julho.
Continua...

Notícias do dia

Homem de Ferro faz $201 milhões e Marvel revela lista de próximos lançamentos

O filme do Latinha fez bonito em seu primeiro final de semana e faturou 201 milhões em todo o mundo. Como a Marvel anunciou que com 70 milhões o filme garantiria uma continuação já para 2010, os fãs ficaram animados. E não é pra menos. Na manhã desta segunda, o recém criado departamento cinematográfico da editora já anunciou seus próximos projetos.

Homem de Ferro 2 está programado para 30 de abril de 2010, seguido por Thor, dirigido por Matt Vaughn (Nem Tudo é o que Parece), em 4 de junho do mesmo ano. Para 2011, o estúdio planeja colocar The First Avenger: Captain America nas telonas em 6 de maio e The Avengers, o tão sonhado filme do supergrupo de heróis, em julho. Além disso o filme do Homem-Formiga está sendo planejado.

Não esquecendo que o segundo filme financiado pela Marvel estréia no mês que vem: O Incrível Hulk chega aos cinemas em 13 de junho.


Novo filme de Clint Eastwood não é Dirty Harry (ahhhhh...)

Havíamos noticiado há uns meses que um projeto misterioso dirigido e protagonizado por Eastwood tinha chances de ser um novo filme de um de seus personagens mais famosos: Dirty Harry. Pois agora surge a sinopse da produção, entitulada Gran Torino, que desmente o boato, para tristeza dos fãs.

"Walt Kowalski é um viúvo ranzinza e cabeça dura que não consegue se dar bem com os filhos nem com os vizinhos. Veterano da Guerra da Coréia, o grande mimo de sua vida é um carro Gran Torino 1972 que está intocado na sua garagem. Contra sua vontade, ele acaba se aproximando da vizinha família hmong, especialmente dos jovens Tao e Sue, a quem Walt decide proteger das gangues que assolam a vizinhança."

O filme tem estréia marcada para dezembro.


Confira primeiro single do novo álbum do The Cure

Em 13 de setembro, a banda lança seu novo álbum e nos próximos meses que seguem até lá, todo dia 13 será divulgado um novo single. É que esse é 13º trabalho do Cure e parece que Robert Smith deu uma de Zagallo e ficou viciado em 13.

O primeiro single, "The Only One", sai em 13 de maio, com "NY Trip" como lado B. Em junho é a vez de "Freakshow" com "All Kinds of Stuff". Os de julho e agosto ainda não foram divulgados.

No site oficial do Cure dá pra ouvir o primeiro single. O novo álbum da banda sucede The Cure, lançado em 2004.

Continua...

Agora sim! Veja o trailer de Batman - O Cavaleiro das Trevas!

Depois de uma longa semana de espera, a Warner finalmente liberou o trailer do novo filme do Morcegão.

Confira aqui em Alta Definição.

Batman - O Cavaleiro das Trevas, mais uma vez dirigido por Christopher Nolan, conta com Christian Bale, Heath Ledger, Gary Oldman, Aaron Eckhart, Maggie Gyllenhaal, Michael Cane e Morgan Freeman no elenco. A estréia acontece em 18 de julho.
Continua...

Confira o trailer final de Indiana Jones e o Reino da Caveira da Cristal

É isso aí, amigo internauta! Acaba de ser lançado mundialmente o trailer final da quarta aventura do arqueólogo mais famoso do cinema. Confira aqui o lançamento no Brasil feito pelo Omelete (é só abrir o TRAILER 2).

Na nova aventura, Indy enfrenta comunistas que querem (assim como ele) colocar as mãos na misteriosa Caveira de Cristal do título. Pela prévia, muita aventura do jeito que Spielberg gosta, bem ao estilo clássico dos antigos seriados das matinês. Alem de Harrison Ford no papel do arqueólogo, completam o elenco Shia LeBouf e Cate Blanchett.
Continua...

Cenas Memoráveis - Especial HQ

X-Men 2 (2003)

Em 2000, o filme que de o ponta-pé para a invasão de adaptações de quadrinhos foi X-Men. Dirigido por Bryan Singer, o longa mostrou que dava pra fazer um filme sério com personagens de HQ (já que a lembrança mais fresca na mente do grande público era Batman & Robin). Mas faltava algo na versão cinematográfica dos mutantes. E não eram os uniformes coloridos.

Então, em 2003, a Fox lança X-Men 2. E na cena inicial, de cerca de 3 minutos, aquilo que faltava no primeiro, era mostrado com enorme competência agora. A sequência da invasão de Noturno a Casa Branca proporciona um sentimento parecido com que se tem num passeio de Montanha Russa. Começa te preparando, bem calmamente, quando de repente, com a ajuda de Dies Irae de Mozart de trilha sonora, explode a ação, com câmera passeando pelos corredores da residencia oficial do presidente norte-americano, acompanhado, hora os seguranças, hora o mutante, que se teleporta de um canto pra outro em ritmo alucinado.

O próprio diretor acabou dando declarações dizendo que o primeiro filme foi um experimento, praticamente um "trailer" do que viria a ser o segundo. E, de certa forma, é até correto dizer isso. Em X-Men 2 tudo está maior e melhor. Hugh Jackman como Wolverine, finalmente encontrou o personagem, Famke Jansen como Jean Grey está espetacular, além da interpretação de Ian McKellen como Magneto, muito mais solta da que o ator entregara na primeira vez. E, ainda, o maior trunfo desta continuação é conseguir dar importância a todos os personagens que aparecem na tela, diferente do que foi o terceiro filme, em que mutantes aparecem por 5 segundos apenas para agradar uma meia dúzia de fãs que queriam ver versões cinematográficas de seus personagens favoritos.


Continua...

Humor: Hulk Espartano

Hulk estilo Leônidas (clique na figura pra ver em tamanho grande).
*Baseado em idéia de Juliane ;)
Continua...
 
Copyright (c) 2010 Blogger templates by Bloggermint