Especial O Cavaleiro das Trevas: Retrospectiva do Batman no cinema

Este post faz parte do aquecimento pro próximo filme do Batman e também revê certas criticas anteriores feitas aos filmes de Tim Burton e (principalmente) Joel Schumacher, o diretor que ficou conhecido como o homem que enterrou a franquia do morcegão nos cinemas.

Em 1989, chegava às telas o filme Batman. Dirigido por Tim Burton, o filme tinha Michael Keaton no papel principal, Jack Nicholson como Coringa e a, na época linda, Kim Basinger como Vicky Vale, o interesse amoroso do herói. Sucesso absoluto de bilheteria, esse primeiro filme mostrava o confronto de Batman com Coringa, em uma livre adaptação na qual o vilão fora responsável pela morte dos pais do herói. Como adaptação, o filme peca um pouco, a começar por essa versão do assassinato da família do morcego. Outros fatores que atrapalharam o filme foram as interpretações de Pat Hingle como Comissário Gordon (sério, como um policial daquele consegue virar comissário de polícia?), a armadura que não deixava o roliço Michael Keaton se mexer, transformando Batman numa espécie de Robocop, e o próprio Keaton, que, além de roliço, era baixinho e na época semi-careca. Mas, apesar de não ser fisicamente compatível com Batman, Keaton até que se virou bem, encarnando o soturno personagem. Mas isso também foi um problema... ele soube ser Batman, mas, creio eu que por pobreza do roteiro, foi um péssimo Bruce Wayne. Aqui talvez, a culpa tenha sido de Burton, principalmente em não construir bem a personalidade de Bruce Wayne/Batman. O diretor focou mais a história no vilão. E não há como negar. Jack Nicholson rouba a cena. Recentemente, o ator disse que o Coringa é papel que ele mais gostou de ter feito. Tirando o fato de ter sido seu maior cachê (e um dos maiores da história do cinema), ninguém pode culpá-lo por ter gostado do personagem. O papel lhe coube como uma luva.
Sobre o mordomo Alfred também não há muito o que reclamar. Lógico que ele não é, na versão de Tim Burton, como o equilíbrio para o lado psicótico de Bruce Wayne, mas mesmo assim Michael Gough está ótimo no papel.
Kim Basinger como Vicky Vale também é um fator negativo. Batman não fica bem tendo um interesse amoroso. Sério, tudo bem que há inúmeras especulações sobre o homossexualismo de Batman nos quadrinhos, e dizer uma coisa dessas seria como assumir esse lado do morcego. Mas não fica bem mesmo. Tanto que nos quadrinhos, Bruce Wayne é um playboy, e pra manter a aparência de playboy as garotas são como diversão, ele nunca deixa passar disso. Ele não pode envolver uma jornalista, no caso da personagem de Vale no filme, na sua luta contra o crime.
Enquanto no roteiro, o filme falha em alguns aspectos, na parte técnica, é um show a parte. Claro que não se poderia esperar menos de um filme de Tim Burton. Gotham City é um espetáculo. A arquitetura gótica dos quadrinhos foi enfatizada ainda mais no filme. A fotografia escura e quase sem cor passa todo o clima sombrio e pesado dos quadrinhos do Batman na época, aproveitando as mini-séries, Batman Ano Um e O Cavaleiro das Trevas, ambas de Frank Miller, onde a cidade é um fator principal da história. Burton também se baseou na fase inicial de Batman nos quadrinhos, quando o personagem era muito mais violento, até mesmo portando uma arma de fogo em algumas histórias. Percebe-se que Burton tinha realmente em foco essas duas fases do Batman, mas com uma leitura.
A musica incidental, composta por Danny Elfman (Ex-Oingo Boingo), parceiro quase absoluto de Tim Burton, combina com o personagem, mantém o clima sombrio e quase depressivo da história e fez tanto sucesso que acabou entrando pra trilha do desenho lançado em 92. Já a trilha sonora composta por Prince não agradou muito os fãs na época, apesar de ser um trabalho ótimo do artista.
Com o sucesso do filme, a continuação era mais que óbvia e, em 1992, Batman – O Retorno chega às telas, trazendo o mesmo elenco do filme anterior, com exceção de Kim Basinger, que tem sua personagem apenas citada, e contando com Danny DeVito como Pingüim, Michelle Pfeifer como Mulher-Gato, e Christopher Walken como Max Schrek.
Todos vilões. Sim, nessa continuação, o homem-morcego enfrenta 3 vilões! Pingüim e Mulher-gato são caracterizados pelos seus problemas psicológicos, enquanto Max Schrek (nome dado em homenagem ao ator que fez o Conde Orlock no filme Nosferatu de F.W. Murnau) é um corrupto político, que almeja controlar o Pingüim, lançando a candidatura desse a prefeito de Gotham.
No gênero vilões, o filme, como seu predecessor, não falha. Todos os atores são competentes, e muito, em suas interpretações. E de novo, mas dessa vez mais evidente, o roteiro dava mais ênfase a personalidade deles. Batman dessa vez ficou muito mais apagado.
O visual do filme, sugado dos quadrinhos da época, mais sensuais e noir, está melhor que o visual do primeiro. A fotografia continua sombria, mas tem mais cores na tela. A música de Danny Elfman, baseada no tema do primeiro filme, entra no clima natalino desta seqüência.
Pat Hingle aparece menos nesse filme do que no primeiro, mas em suas aparições fica claro que sua equipe de policias (incluindo ele próprio) é a mais incompetente possível. Qualquer problema que a polícia tem, o Bat-sinal é ativado. Enquanto nos quadrinhos, Gotham é infestada pelo crime devido a corrupção na polícia, nos filmes é devido a incompetência mesmo.
Michael Gough, por outro lado, prova mais uma vez que nasceu pra ser Alfred. Dando alfinetadas em Wayne, nesse filme é mais explorado o equilíbrio entre a sanidade e a loucura citado logo acima.
Voltando aos vilões, vale lembrar que a Mulher-Gato desse filme é muito diferente da personagem nos quadrinhos. Sua origem foi totalmente alterada, mas mesmo assim ainda é melhor do que o filme da ladra, protagonizado por Halle Berry.
Há momentos que lembram muito o expressionismo alemão. Burton suga mesmo o visual dos filmes dessa vertente cultural e nesse Batman ele pode fazer o que sempre quis, um filme-arte, com apelo comercial. Infelizmente não era bem isso que a Warner e seus executivos queriam na franquia cinematográfica do homem-morcego. Por isso, mesmo a continuação tendo arrecadado mais que o primeiro, Burton foi dispensado do cargo de diretor devido a reclamações de associações de educadores e pais, que alegavam que o filme não era recomendado para as crianças. Aí começaram alguns problemas. Quem disse que o Batman é um personagem infantil? Frank Miller, com toda sua criatividade, havia recriado o Morcego de forma adulta e violenta que foi seguida pelos roteiristas que vieram depois dele, até hoje. O Batman não era mais aquele persongem brincalhão da série dos anos 60. Mesmo assim, Burton foi afastado quando ja estava se preparando para dirigir o terceiro Batman.
Para tomar seu lugar, Joel Schumacher foi contratado. O diretor já havia feito filmes muito bons, incluindo Garotos Perdidos, clássico terror adolescente dos anos 80. Um novo roteirista também foi contratado, Akiva Goldsman. Seu roteiro para o terceiro filme da franquia tinha o que os filmes anteriores não tinham. Um Batman sombrio, mas nem tanto, e uma construção muito bem elaborada da psique do protagonista. Porém pecava um pouco na construção dos vilões, que nada tinham em comum com suas contrapartes dos quadrinhos. Duas-Caras e Charada pareciam dois palhaços, tirando toda a elegancia que ambos têm nos quadrinhos. Há também a primeira aparição de Robin, indicando aí que esse seria realmente um filme mais leve. Inclusive, há uma semelhança incrivel com a trajetoria dos quadrinhos com isso. Quando as historias do Batman começaram a ficar muito pesadas, Robin foi introduzido para trazer algo mais leve mesmo. Para o papel de Batman, Michael Keaton recusou a chamada, quando soube que Burton não estaria mais envolvido. Em seu lugar, entrou Val Kilmer. Para o Robin, foi contratado Chris O’donnel e Charada e Duas-Caras foram interpretados, repectivamente, por um iniciante Jim Carey e pelo ganhador do Oscar de melhor ator coadjuvante pelo filme O Fugitivo, Tommy Lee Jones.
Schumacher, ao que tudo indica, foi fiel ao roteiro, e seu filme era o mais longo da série, 165 minutos. Aí, começaram os problemas. Os executivos da Warner acharam que um filme tão longo não faria sucesso, e pediram ao diretor que ele editasse novamente para que a película não passasse de 130 minutos. Com isso, 35 minutos de filme foram perdidos, e fizeram muita falta. O filme fez sucesso, mas em termos de qualidade desagradou bastante. Mesmo assim, Batman Forever é um filme que da pra assistir. Porém sua continuação, Batman & Robin, era o que ninguem queria: uma refilmagem da série dos anos 60! Até a Batmoça está no filme. O roteiro na verdade foi uma cópia do roteiro do anterior, e parece ter sido feito na má-vontade mesmo. Goldsman deve ter imaginado: “se é lixo que eles querem, lá vai!” e copiou de forma grotesca o que Schumacher não havia cortado de Batman Forever. Dessa vez o manto do morcego ficou a cargo de George Clooney. Mesmo tendo o fisico necessario pro papel, ele não convenceu ninguem. Canastrice tem limite, mas Clooney nessa época parecia não saber muito disso. Como vilões os escolhidos para serem avacalhados foram Mr. Freeze, papel dos sonhos do ator que o interpretou, Arnold Schwarzenegger, pois é um personagem sem sentimentos, ou seja, não exigiria do atual governador da Califórnia que ele tivesse expressões significativas, Hera Venenosa, que ainda se salvou no meio da parafernalha toda, sendo interpretada por Uma Thurman e Bane, que nessa versão não é o vilão inteligente que descobre a identidade do Batman nos quadrinhos, mas sim um mero capanga de Hera que não consegue falar palavras com mais de duas silabas!
Esse filme enterrou a franquia de Batman nos cinemas por 8 anos. Porém, em 2005 uma nova franquia surgiu com Batman Begins, dirigido por Chris Nolan e trouxe um pouco de esperanças de que um filme do Morcego poda ser fiel, bom e lucrativo ao mesmo tempo.

Próximo post: Relembrando Batman Begins parte 1

Continua...

Novo trailer de O Cavaleiro das Trevas

Mais um? Sim, e com novas cenas do Coringa! Confira a prévia, que foi divulgada como conteudo exclusivo do site de uma pizzaria (!!!) nos EUA.

O filme estréia em 18 de julho!
Continua...

Notícias do Dia!

Morre Michael Turner, o criador de Witchblade

Famoso por seus desenhos de personagens femininos, Michael Turner faleceu na última sexta-feira, vítima de condrosarcoma, um câncer que ataca os ossos e cartilagens do corpo. O desenhista, co-criador de Witchblade e Fathom na Top Cow Comics, tinha apenas 37 anos.

Jon Favreau está mais otimista com Homem de Ferro 2

A Marvel deve ter renegociado o salário do diretor, que estava dizendo aos quatro ventos que era meio inviável fazer do segundo filme do Ferroso, uma produção melhor que a primeira. Entrevistado na premiére de Hellboy 2, Favreau disse que novidades virão em breve. "Estamos trabalhando nisso. Vai ser uma trabalheira fazer Homem de Ferro nesse prazo. A maioria consegue esperar três anos entre um filme e outro, como [Christopher] Nolan, que pôde fazer O Grande Truque entre um [Batman] e outro. Seria bom misturar as coisas. Mas se temos esse prazo vamos ter que mergulhar rápido de cabeça e ser incansáveis. Vai ser uma corrida. Mas o lado bom é que já temos o elenco principal, já temos a armadura desenhada e todo mundo já entende minha visão para o personagem tendo o primeiro filme como base. Então alguns aspectos são mais fáceis, mas outros são mais complicados, pois temos que fazer um filme ainda melhor".
O diretor ainda comentou um pouco sobre os Vingadores, projeto que vira e mexe tem seu nome envolvido.
"Ainda temos que ter uma boa conversa sobre os rumos do Marvel Studios e nos assegurarmos que todos os filmes parecerão coerentes entre si e dividirão o mesmo universo. Eu devo ter algum envolvimento nos demais filmes de alguma maneira, mas Homem de Ferro 2 é o filme que exigirá minha atenção especial e diária".

A estréia está marcada para 30 de abril de 2010.

Gary Oldman entrega vilão de terceiro Batman?

É o que parece. Em uma entrevista, o ator soltou primeiro que gostaria que um outro ator pudesse voltar como o Coringa.
"Não vejo porque não. Eles fizeram isso com a personagem de Katie Holmes, apesar das circunstâncias serem bem diferentes. Mas eu acho que Heath gostaria disso". E continuou com a frase que deixou os fãs malucos. "Mas talvez não precisemos disso porque teremos o Charada". Bem, isso pode ter sido um palpite? Ou será que em Cavaleiro das Trevas teremos algumas pistas sobre o que vem por aí? O jeito é esperar até o dia 18, quando o filme estréia para matarmos a charada (trocadilho infame, eu sei...).

Enquanto esse dia não chega, porém, você pode conferir o Especial Cavaleiro das Trevas aqui. Novos artigos e novidades a qualquer momento!
Continua...

Veja agora o primeiro trailer de 007 - Quantum of Solace

O nome do filme é esquisito, mas o trailer da nova aventura de James Bond é sensacional! Cassino Royale, a produção que deu novos ares à longeva franquia, pode ter ganho uma continuação a altura, ou até melhor. Por falar nisso, a prévia começa exatamente onde termina o último filme. Confira abaixo.


Mais uma vez com Daniel Craig no papel principal, Quantum of Solace estréia em 7 de novembro.
Continua...

Especial O Cavaleiro das Trevas: Primeiras Impresões

A partir de hoje até o dia 18, quando der vontade, um novo artigo sobre o Homem-Morcego vai pintar aqui no blog. Pra começar, as primeiras impressões sobre o que poderemos esperar em Batman - O Cavaleiro das Trevas.

Não dá pra analisar um filme direito só por trailers e comerciais de TV. Mas, quando somos agraciados com 12 clipes... bem, não dá pra dizer também com 100% de certeza se Batman – O Cavaleiro das Trevas é bom ou não. Mas, pelo menos dá pra tirar algumas conclusões. Vamos então a uma análise, clipe por clipe.

Para assistir, clique aqui, já que os videos foram retirados do site original.

Vídeo 1 – BATMAN HAS NO LIMITS

Na primeira cena revelada, temos um diálogo de Alfred (Michael Caine) e Bruce Wayne (Christian Bale), em que o mordomo aconselha seu patrão a conhecer seus limites. Há aqui, uma clara evolução na interpretação de Bale. A conversa entre dois flui com muita naturalidade, como já acontecia em Begins, mas aqui está melhor.

Vídeo 2 – IF YOU’RE NOT GETTING SHOT...

Aqui podemos ver outra evolução. Mas no caso, de personagem. Com a troca de Katie Holmes por Maggie Gyllenhall, parece que agora Rachel Dawes consegue se impor em cena. A assistente do promotor Harvey Dent (Aaron Eckhart), e também seu par romântico troca aquele olhar de peixe morto de Holmes por uma firmeza que a personagem exige, com a interpretação de Gyllenhall.

Vídeo 3 – I HAVE HEARD ALL ABOUT YOU

Esta cena tem basicamente a mesma função da segunda, mas introduz um pouco mais de Harvey Dent e de como Eckhart o interpreta. Destaque também para Bale, em sua versão playboy de Bruce Wayne, lembrando os bons momentos de Patrick Bateman do filme Psicopata Americano.

Vídeo 4 – WE NEED LAU BACK

O vídeo começa com um muito bem sacado plano sequência. Um diálogo entre Jim Gordon (Gary Oldman), Dent e Batman. Visualmente a cena é praticamente uma homenagem a famosa mini-série O Longo Dia das Bruxas. Termina, inclusive da mesma forma.

Vídeo 5 – MAY I SUGGEST A TRAVEL AGENT

Momento “James Bond” com Lucius Fox fazendo as vezes do “Q”, o armeiro que providencia as bugigangas ao agente secreto. Fox, interpretado novamente por Morgan Freeman, tem todo aquele mesmo ar sarcástico do primeiro filme quando mostra o equipamento a Wayne.

Vídeo 6 – BREAK IN

Ok, aqui é o que todos queremos ver: Ação! Pra quem não gostou muito das cenas de luta em Batman Begins, por causa dos cortes bruscos que não mostravam praticamente nada da porradaria, o cena cai como uma luva. Pelo visto o diretor, Christopher Nolan, resolveu ouvir os fãs e trouxe lutas mais explícitas. Batman derruba três mafiosos chineses num único take, sem cortes. Contentes agora?

Vídeo 7 – THEY ARE ALL GOING TO COME AFTER YOU

Quantos filmes de quadrinhos existem por aí que se importam em desenvolver uma história de verdade? Intrigas políticas, joguetes, manipulação? A maior parte dos roteiristas deixa isso para “filmes sérios”. Bem, então temos aqui um filme sério. Nestor Carbonell (fãs de Lost, atenção) como o prefeito de Gotham tentando avisar Harvey Dent dos perigos em se mexer com peixe grande. Coitado, se ele acha que a máfia de lá é dificil de lidar, é porque ele nunca visitou o Brasil...

Vídeo 8 – THIS TOWN DESERVES A BETTER CLASS OF CRIMINAL

Aqui temos uma pequena amostra do que todos queremos: Heath Ledger fazendo o Coringa. Apesar de serem inevitáveis, acredito que seja uma grande besteira comparar a maneira que Jack Nicholson interpretou o maior vilão do Batman. A abordagem de Ledger é bem diferente, mais como um psicótico anarquista do que um simples bufão maluco. Tudo dentro do mundo que Nolan criou para o Homem-Morcego.

Vídeo 9 – YOU CANNOT ASK ME TO WAIT FOR THAT

Mais um vídeo em que Rachel Dawes demonstra sua presença. Nada a acrescentar quanto a isso. O destaque é para o que Bruce espera que aconteça com Gotham. Ele tem esperanças de que o trabalho feito por Harvey Dent é o que a cidade precisa. Sem uma máscara, o promotor está limpando a cidade, então pra ele, talvez Batman esteja com os dias contados. Interessante abordagem.

Vídeo 10 – HE CANNOT ENDURE THIS

Outra cena que mostra a química perfeita entre Michael Caine e Christian Bale. Não dá pra saber exatamente o contexto dela. Melhor esperar o filme pra comentar alguma coisa.

Vídeo 11 – ONE DAY BATMAN WILL HAVE TO ANSWER FOR THE LAWS HE HAS BROKEN

De novo, uma cena que fora de seu contexto no filme, fica difícil analisar. Melhor esperar. O destaque vai pra confiança que Aaron Eckhart transmite como Harvey Dent. Com certeza esse será um personagem, que embora todos saibam no que vai se transformar, vai agradar ao espectador.

Vídeo 12 – THERE'S A BATMAN

Sequência de ação, um pedaço da perseguição do Batpod. Achei a edição um pouco estranha, talvez porque tenha sido reeditado para essa divulgação na internet. A falta da trilha sonora, embora não seja evidente se proposital ou se sinal de que esse vídeo não é definitivo, acaba sendo até interessante, lembrando as célebres cenas de ação de filmes dos anos 70, como Operação França ou Bullitt (Veja nas Cenas Memoráveis)

O que essas primeiras impressões dizem? Até agora, O Cavaleiro das Trevas tem se mostrado superior a Batman Begins, e olha que considero o primeiro filme desta nova franquia como sendo a melhor adaptação de HQ já produzida para o cinema (obviamente parece que não por muito tempo). Assim como Sam Raimi e Bryan Singer, excelentes diretores que ficaram um pouco contidos no primeiro filme de seus respectivos heróis (Homem-Aranha e X-Men, seu desinformado), Nolan se solta e dirige um produto com identidade própria. Os diálogos estão melhores, graças a parceria com seu irmão Jonathan (também responsável pelo roteiro de O Grande Truque, preciso dizer mais alguma coisa?), que consegue melhorar o padrão do humor que David Goyer impôs ao primeiro filme (um fator que desagradou muita gente, mas parece que agora não irá mais incomodar tanto).

Sobre as interpretações, nada mais a acrescentar do que ja foi dito acima, o negócio agora é esperar pelo filme e ver como tudo se encaixa na história.

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho.

Continua...

Blizzard oficializa Diablo III

Um dos mais populares jogos de RPG para computadores finalmente ganha seu terceiro exemplar, esperado por fãs do mundo todo há anos.

Diablo III foi anunciado oficialmente pela Blizzard (famosa em enrolar a produção dos jogos) e já tem até site oficial, com imagens, vídeos e tudo mais. Confira.

Porém, ainda não há data para o lançamento. Segundo a propria desenvolvedora, "ainda é cedo para falar sobre isso". Bom, pelo menos foi confirmado...
Continua...

Hellboy II: Veja terceiro trailer

Mais uma vez dirigido por Guillermo del Toro, Hellboy II teve mais um trailer divulgado pela Universal. O filme estréia em 11 de julho la fora. Confira a prévia aqui (quicktime) ou veja abaixo.

Continua...

Veja agora 12 clipes e um vídeo de 8 minutos com um making of de Batman - O Cavaleiro das Trevas

É isso ai mesmo que você leu... não preciso nem dizer mais nada né? Para ver os 12 clipes, clique aqui e para o vídeo de bastidores, acesse esta pagina.

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho.
Continua...

Cenas Memoráveis: Especial Perseguições

Máquina Mortífera (1987)

Se uma perseguição entre carros se torna memorável, imagine então uma em que um sujeito a pé persegue um veículo. Deve ter sido com esse pensamento que Richard Donner (o diretor) e Shane Black (o roteirista) criaram essa cena de Máquina Mortífera.

Com Riggs, o Máquina Mortífera em pessoa, interpretado por Mel Gibson, perseguindo Mr. Joshua (Gary Busey). A sequência ficou tão famosa, que a Warner sempre a coloca naqueles vídeos comemorativos em que mostra rapidos trechos de seus mais célebres filmes.

Continua...

Entertainment Tonight mostra cenas inéditas de novo Batman

O famoso programa de notícias do mundo pop divulgou esta noite uma sequencia muito boa com a perseguição do Batman em seu Batpod e do Coringa em caminhão.

A qualidade não é das melhores mas vale a pena conferir.

Continua...

Veja novo trailer de Batman - O Cavaleiro das Trevas LEGENDADO!

Desta vez o Omelete leva os méritos. Com exclusividade, o pessoal da Cozinha recebeu um terceiro trailer do novo filme do Batman e o melhor, legendado. Pois é, você fã que não manja nada de inglês e ficou todo esse tempo boiando com os diálogos, tá na hora de entender o que o Coringa falava esse tempo todo.

Confira o vídeo aqui.

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho. E aguarde o especial aqui no Re-Enter. ;)
Continua...

Queima-Filme: Mark Wahlberg

Mais uma área do blog fadada ao sucesso (vide Cenas Memoráveis) ou ao total fracasso (vide todas as outras :P). Aqui vamos mostrar como um ator, cantor, performista, ou qualquer que seja o caso, pode queimar o próprio filme, sendo do tipo "seu passado lhe condena" (como é o escolhido de hoje) ou do famigerado "coisas que fazemos para pagar as contas".

Mark Wahlberg pode ter ficado famoso em sua interpretação no filme Boogie Nights ou, mais recentemente, Os Infiltrados, mas suas primeiras tentativas ao estrelato foram bem bizarras. Pra começar, ele era o líder do grupo Marky Mark and the Funky Bunch. Isso mesmo que você tá pensando: ele era um rapper... branco... Como se Vanilla Ice não tivesse bastado nos anos 80, em 91, Marky lança o (único) sucesso Good Vibrations. Rendeu até um clipe, com o rapaz fazendo pose de marrento e cara de mal. A música é até legalzinha, se você é fã de rap típico dessa época. A banda se desmanchou logo em seguida e qual foi a opção de Mark? Fazer pose pra comerciais de cueca. Tudo bem, essa jogada foi esperta, os comerciais fizeram tanto sucesso que Wahlberg pulou pro cinema rapidinho.

Mas, convenhamos... só o fato do ator ter sido uma cópia do Vanilla Ice já o suficiente pra queimar o filme. O clipe de Good Vibrations é como se fosse a "cereja do bolo", de uma forma bem distorcida do que essa expressão significa...

Continua...

Notícias do Dia!

Confira mais posteres de G.I. Joe e Dragonball

Depois da imagem de Channing Tatum como Duke, o site Film1.nl revelou mais 2 fotos de pôsteres de G.I. Joe: Rise of Cobra. Desta vez temos Sienna Miller como Baronesa e Ray Park como Snake Eyes.

O site também postou o primeiro poster de Dragonball.

Veja 4 novos comerciais de TV de O Cavaleiro das Trevas

É isso mesmo! E todos com cenas novas. Confira abaixo o sexto comercial, é imperdível! Os outros você vê aqui:


Continua...

Novo episódio de Gotham Tonight no ar!

Confira aqui o novo programa apresentado por Mike Engel, apresentando a trajetória de Bruce Wayne.

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho!
Continua...

Notícias do dia!

Confira pôster de G.I. Joe

A Paramount divulgou nesta segunda o primeiro pôster da adaptação de uma das linhas de brinquedo mais famosas do mundo: Comandos em Ação. Aproveitou também para mostrar o título completo do filme: G.I. Joe - Rise of Cobra.

Agora fiquei com medo. Em português podemos esperar algo do tipo, na melhor das hipóteses, Comandos em Ação: A Ascenção de Cobra? Isso vai render piadinhas infames!

O filme estréia em 7 de agosto de 2009.








Veja mais uma prévia do desenho Wolverine and the X-Men


O novo desenho dos mutantes da Marvel ganhou mais um vídeo, desta vez mostrando uma batalha na rua. Confira.


Na premissa da série, quando Xavier entra em coma depois de um atentado (que vitimou também Jean Grey), a liderança dos X-Men recai sobre Wolverine. Agora, cabe ao canadense atarracado, motivado por uma visão apocalíptica do futuro, convocar humanos e mutantes a trabalhar juntos para impedir que uma guerra destrua toda a civilização.

A série misturará elementos 3D e 2D e terá 26 episódios de 11 minutos. O lançamento da série é prometido para o primeiro trimestre de 2009.

Veja fotos de bastidores da terceira temporada de Heroes

O site TheBadandUgly.com mostrou algumas fotos envolvendo Milo Ventimiglia (Peter Petrelli) e Hayden Penettiere (Claire) nas filmagens da nova temporada de Heroes, que estréia em 22 de setembro nos EUA. Confira aqui.

Continua...

Resenha: Piloto de FRINGE


O piloto da nova série de J.J. Abrams “vazou” na net. Como fã de Lost, eu não poderia deixar de conferir. Aqui vão minhas primeiras impressões...

Já na cena de abertura, com um avião onde seus tripulantes passam por uma experiência bizarra, começa o clima de dejavu: “Lost 2?”. Por esse e outros temas na trama de Fringe, fica a questão: Será que essa semelhança com Lost em alguns aspectos foi intencional? Seria uma forma de chamar a atenção ou simplesmente falta de criatividade na mente de J.J.? Só o tempo para nos mostrar o que Fringe tem a oferecer.

Após o tal incidente, uma agente do FBI vai ao local de investigação e altas tretas começam a acontecer. É aí que surge outro personagem que deixa a referência a Lost ainda mais evidente: um chefão do FBI com alto potencial para antagonista que é interpretado pelo MESMO ATOR que faz o misterioso Michael Abbadon em Lost (aquele negão que recrutou Naomi e sua equipe de expedição à ilha). Rola inclusive uma cena de um diálogo importante entre este personagem de Fringe e a protagonista que termina com aquele barulhinho misterioso tirado diretamente dos finais de episódio de Lost.

OK, tentarei não dar spoilers, mas acontece uma coisa muito sinistra com o parceiro (e namorado) de nossa protagonista (esqueci o nome da personagem e estou com preguiça de procurar) e aí ela vai atrás do único cientista louco o suficiente para ter realizado pesquisas com a chamada “fringe science” (ciência de borda). Essa tal vertente da ciência é nada mais do que todas aquelas bizarrices estilo Arquivo X: mutações genéticas (Caminhos do Coração? Hahaha... desculpa, não deu pra conter a piada), teletransporte, telepatia, e enfim... deixe a imaginação fluir ou simplesmente assista à abertura da série em que várias possibilidades são listadas. Essa abertura lembra muito a de Arquivo X, aliás (Alias? Desculpa, não deu pra segurar também...).

Então, ela vai atrás do tal cientista, que está em um hospício (um pouco clichê, de fato). Para isso, ela vai até o Iraque atrás do filho do cara: um golpista muito esperto que também manja muito de ciência e tem uma relação traumática (não explicada ainda) com o pai. Pois bem, está formada nossa equipe de caçadores de aventuras, o Trio Ternura. E eis que nosso novo amigo acaba informando nossa protagonista de que uma grande organização está “aparentemtente” por trás de tudo. (Dharma Initiative de novo?)

As semelhanças com Lost são gritantes, mas aqui dou um exemplo da grande diferença entre Fringe e a história de Jack Sheppard: a narrativa. Enquanto o grande apelo de Lost se encontra na narrativa fragmentada, jogada como migalhas para o espectador que tenta juntar as peças entre flashbacks, flashforwards e jogos na Internet, em Fringe tudo acontece linearmente, de maneira mais tradicional (pelo menos até o presente momento). A agente do FBI vai até a tal sede da grande corporação para tentar falar com seu presidente e topa com uma secretária que, do nada, começa a fazer um belo discurso em defesa dos avanços da ciência, blá, blá, blá e aí ELA PUXA A PELE DA PRÓPRIA MÃO COMO SE FOSSE UMA LUVA E REVELA UMA MÃO BIÔNICA FRUTO DE UMA TECNOLOGIA SÓ EXISTENTE NA FICÇÃO! OHHH!

Sei lá, me pareceu meio forçada a introdução desses elementos tão de cara... O incidente no vôo, a experiência da protagonista de se comunicar com seu parceiro em coma através de um sonho estimulado, o incidente que acontece com o parceiro dela, esse lance da mão biônica... É como se estivessem gritando “Veja! Essa série é sobre ficção científica aloprada! Somos uma mistura de Arquivo X, Lost e Alias com uma pitada de Caça-Fantasmas!”. Há quem goste, por isso há um público certo, sem dúvida. Mas, para mim, Lost só funcionou porque esses temas foram introduzidos aos poucos, em doses homeopáticas e sugestivas. O que parecia ser somente uma galera azarada que caiu numa ilha e teria de sobreviver se mostrou uma trama diabólica até agora não revelada totalmente. Praticamente, o que sabemos de Fringe no primeiro episódio levamos 4 temporadas inteiras para descobrir em Lost! Muito bem... pra quem reclama de enrolação, acho que essa nova série é uma boa pedida, mas aí eu fico pensando que eles devem ter uma trama muito bem elaborada com mil surpresas, ou então vão ser mesmo o novo Arquivo X, que não tinha nada a dizer no final, a não ser mostrar um novo caso bizarro e “além da imaginação” (não deu pra segurar a piada nerd de novo, ok?) a cada episódio.

Cheguei a pensar que Fringe poderia ser uma expansão do universo de Lost, justamente pelos pontos semelhantes que já citei. Isso seria bem interessante, algo que já é feito há décadas nos quadrinhos sendo transposto para a TV, mas acho muito pouco provável. De qualquer forma, resta conferir a primeira temporada da série para saber se J.J. Abrams vai se superar ou simplesmente se exceder.

Continua...

Notícias do dia!

Veja mais dois novos pôsteres de The Spirit (e esses falam!)

O Yahoo Movies liberou na terceira semana consecutiva mais 2 pôsteres da adaptação do célebre personagem de Will Eisner. A diferença é que desta vez estão no formato flash e quando clicados pode-se ouvir a voz da personagem dizendo a frase estampada na imagem. Confira abaixo e clique na imagem para ver a animação.


Homem-Aranha 4 em maio de 2011?

Pelo menos é o que produtora Laura Ziskin espera. Segundo entrevista ao LA Times, Ziskin quer lançar a continuação em maio de 2011, concorrendo com Captain America: The First Avenger e Harry Potter e as Relíquias da Morte Parte 2. A produtora conclui dizendo que o roteiro ainda não está pronto, mas não confirma o boato de que o roteirista James Vanderbilt escreve o texto esperando uma divisão em dois filmes que seriam gravados ao mesmo tempo.

Confira o trailer de A Múmia - A Tumba do Imperador Dragão

Ah, é isso. Veja aí o vídeo que divulga o terceiro filme da franquia cópia de Indiana Jones. O filme estréia em 30 de julho.

Continua...

Quinto comercial de TV de Batman - O Cavaleiro das Trevas

Apenas 4 semanas, bat-fãs! Enquanto isso, a Warner inunda as mídias com as mais variadas formas de marketing. Quem pode, pode!


Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho!

Continua...

Mais algumas imagens de Batman - O Cavaleiro das Trevas caem na net

Veja abaixo imagens do filme, tiradas de um calendário (as duas primeiras vieram de uma fonte da Warner). Desta vez o destaque é pro Espantalho, que volta na continuação, mas até agora andava apagado da divulgação.







Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho.
Continua...

Cenas Memoráveis - Especial Perseguições

Ronin (1998)

Dirigido por John Frankenheimer, Ronin é um dos melhores thrillers dos anos 90. Com Robert De Niro e Jean Reno, mostra um ex-agente da CIA (De Niro) tentando roubar uma misteriosa maleta que contém algo que tanto irlandeses e russos estão atrás. O final leva a uma reviravolta que explica o nome do filme. Ronin era como os Samurais sem mestre eram chamados na época do Japão feudal.

A cena de perseguição a seguir é não apenas empolgante, como plasticamente perfeita. Reparem em como os movimentos dos carros são milimetricamente calculados. Eles não cometem erros, dá até impressão que seguem um trilho, de tão perfeitos. Frankeinheimer era um mestre nesse tipo de coisa e esta sequencia é uma prova disso.

Continua...

Crítica: O Incrível Hulk (por Alexandre Luiz)

Me permiti escrever este texto em primeira pessoa. Espero que entendam.

Uma das coisas mais legais em histórias em quadrinhos são crossovers. Encontros entre personagens da mesma editora e do mesmo universo, mas que não tem lá muito em comum. Wolverine e Hulk, Demolidor e Homem-Aranha, esse tipo de coisa. Particularmente, achei que nunca veria isso no cinema. Principalmente por saber a besteira que a Marvel fez quando vendeu os direitos de seus personagens mais famosos para estúdios cinematográficos diferentes. Mas agora a editora está tomando conta de alguns heróis. Cabem ao Homem de Ferro, Hulk, Capitão América, Thor e Homem-Formiga (nem pergunte...) “salvarem” o Universo Marvel nas telonas. Quando o filme do Ferroso estreou, com todas aquelas menções a SHIELD e ainda a aparição de Nick Fury, não podia imaginar que isso seria estendido da forma que foi em O Incrível Hulk. Logo na introdução, que mostra a origem do Gigante Esmeralda em flashback (mais baseada na série de TV do que no filme de 2003), podemos ver menções à Fury, SHIELD e Tony Stark. Quando Emil Blonsky (Tim Roth) é convidado a servir de cobaia a um novo experimento, o Projeto Super Soldado é citado (sem mencionar a cena deletada com o Capitão América). E há também a alardeada cena com Robert Downey Jr. no final. Além disso, o próprio universo do Hulk é enriquecido com participações do Dr. Samson (ok, ele aparece mais no teaser do que no próprio filme, mas...), Samuel Sterns (que já dá o gancho como vilão da continuação) e uma menção honrosa a Rick Jones. Mas não é só por isso que O Incrível Hulk é um bom filme.

Quando Louis Leterrier foi contratado para dirigir, eu simplesmente não botei fé. A versão de Ang Lee, embora odiada por muita gente, tem toda uma sensibilidade que eu não imaginava o diretor de Carga Explosiva conseguindo expor. Mas, logo depois Edward Norton entrou no projeto, não só como o intérprete do Dr. Bruce Banner, mas como roteirista não creditado. O ator ajudou a dar o polimento necessário para fazer de O Incrível Hulk uma história humana. Convenhamos, um monstro verde destruindo tudo em 2 horas não é exatamente a definição de uma boa história. Desenvolver os personagens era prioridade para Norton. E ele faz isso muito bem nas cenas envolvendo Banner e Betty Ross (Liv Tyler), e nas sequências mais introspectivas do personagem principal. Da pra perceber o texto dele também quando o filme tem seus momentos a lá King Kong, com Hulk mostrando seus sentimentos para a Dra. Ross. Basicamente quando o filme é pancadaria, quem dá as caras é Leterrier, quando o filme explora os personagens, é Norton. E é por isso que o Incrível Hulk é um bom filme. Por dosar bem as duas coisas. E, pelo diretor francês que se mostra competente principalmente quando o Verdão ataca pela primeira vez. Na sequência toda, temos o personagem nas sombras. Em uma cena que qualquer diretor já iria querer escancarar o Hulk pro espectador, Leterrier sabiamente o esconde. Outro ponto forte é o ritmo de perseguição, algo meio Identidade Bourne, que tem seu auge logo no começo com o ataque do exército americano na Rocinha. Tudo muito bem filmado, com aquele clima clautrofóbico que os estreitos becos da favela proporcionam.

Porém, nem tudo são flores. Como a Marvel esperava mais ação do que drama, a maior parte das cenas que Norton escreveu não está no resultado final. Foram mais de 70 minutos cortados que ajudavam a desenvolver ainda mais os personagens. Por causa disso o filme acabou ficando com buracos gigantescos, que são percebidos até por quem não esta prestando atenção na história. O que o ator queria mesmo era criar o clima do seriado de TV, tão dramático quanto o filme de 2003. A versão de Ang Lee foi praticamente esquecida, em virtude desta homenagem, com direito a participação de Bill Bixby, de uma forma muito original, por sinal. A editora, que agora é também um Estúdio achou que os espectadores já tiveram a sua dose de drama num filme do Gigante Esmeralda. Por essas coisas, Hulk acaba não sendo tão bom quanto Homem de Ferro, mas leva uma vantagem. É um filme mais adulto (seria ainda mais, sem os cortes). E, mesmo com a intromissão da Marvel (melhor do que intromissão de quem não entende de HQ), o resultado final agrada tanto àqueles que esperavam pancadaria (a luta entre Hulk e o Abominável é espetacular) quanto os poucos fãs da versão de Ang Lee, que se preocupam mais com a história do que com a ação. Resta saber agora se Edward Norton volta para a provável sequência, já que as decisões da editora o irritaram um pouco. Uma forma de trazê-lo de volta é lançar um DVD Director’s Cut. Ou seria mais apropriado chamar de Norton’s Cut?

Continua...

Jon Favreau fala de idéias para Homem de Ferro 2

Fonte: Omelete (to com preguiça de traduzir o MySpace :P)

Em sua página no MySpace, Jon Favreau continua respondendo perguntas de internautas sobre Homem de Ferro 2. O diretor fala de alcoolismo, identidade secreta, Mandarim, Hulk, Obadiah Stane e confirma a presença do escudo do Capitão América. Confira os pontos mais interessantes:

Sobre uma eventual aparição de Bruce Banner ou Hulk em Homem de Ferro 2: "Não há qualquer plano nesse sentido".

Sobre o alcoolismo de Tony Stark: "Eu nunca disse que o arco de histórias de 'O Demônio na Garrafa´ [que acaba de ser republicado no Brasil] estava fora. Eu só disse que quero me certificar de que não faremos um filme parecido demais com Hancock. Eu quero esperar para ver o que eles farão. O alcoolismo definitivamente definirá o personagem com o passar do tempo".

Sobre Homem de Ferro tornar pública sua identidade de Tony Stark: "Isso foi idéia de Kevin [Feige, presidente do Marvel Studios]. No começo eu era contra isso, mas hoje estou feliz que eu tenha cedido. Acredito que isso abre um novo campo de possibilidades para um gênero que já foi bastante trabalhado".

Sobre a presença do escudo do Capitão América no laboratório de Stark: "A ILM [Industrial Light & Magic, que cuidou dos efeitos especiais] nos surpreendeu com a inserção, e nós mantivemos".

Sobre Mandarim: "Ele é o nêmesis de Homem de Ferro e será incorporado na continuação. É verdade que estou apreensivo com a forma como o apresentaremos. No mundo baseado em tecnologia que criamos em Iron Man, um vilão estilo Fu Manchu com anéis mágicos poderia parecer fora de lugar. No primeiro roteiro havia versões em que Mandarim era o vilão principal, então já exploramos o personagem um pouco. Estou curioso para ver como ele é retratado nos gibis mais recentes".

Sobre o papel de Favreau no filme, o guarda-costas e motorista Happy Hogan: "Ele pode aparecer mais, por que não? Robert [Downey Jr.] e eu já discutimos uma potencial história envolvendo o Freak".

Sobre material de sobra e o futuro de Pepper Potts: "Não temos uma versão maior do filme. A versão que foi para o cinema era a melhor versão que tínhamos. Quando Gwyneth Paltrow assinou contrato para três filmes, já avisei para ela que Pepper termina casada [como nos quadrinhos] com Happy Hogan".

A Marvel agendou a estréia do segundo Iron Man para 30 de abril de 2010, mas Favreau já disse publicamente que acha o prazo apertado demais. Vamos ver como essa discussão se desenrola...

Continua...

Diretora comenta teaser de Justiceiro

Lexi Alexander, a diretora de Punisher: War Zone publicou em seu blog suas impressões sobre o primeiro trailer do filme.

Antes de mais nada ela se diz surpresa: "Eu não sabia que o teaser ia ser lançado tão cedo".

"Também fiquei surpresa com a reação das pessoas. As que gostaram, as que não gostaram - eu fiquei feliz com todas elas. Tenho recebido e-mails do mundo todo, de amigos do circuito de karatê e kickboxing que não vejo há anos. Estou começando a perceber como a base de fãs de Justiceiro é grande", começa.

Sobre o tom do teaser: "Eu não saberia dizer que tipo de impressão eu teria do trailer se eu já não conhecesse o filme todo. Só fiquei bem impressionada com a capacidade que eles tiveram de achar cenas de ação leves pra colocar num trailer PG [apto para menores]. Deve ter sido um desafio montar um trailer e evitar todo o sangue que temos no filme".

Lexi fala que tentou evitar o realismo: "Fico feliz que os fãs da série MAX tenham apreciado as cores, que copiamos diretamente dos gibis. Não espere que Punisher seja ambientado em um mundo ultra-realista. Todo diretor precisa decidir que tipo de estilo vai seguir, e se eu escolhesse o realismo seria como colocar o Detetive Vic Mackey de The Shield com uma caveira no peito. Pra mim, histórias de crime reais são diferentes de histórias em quadrinhos. Este filme é sobre a mitologia de Frank Castle, é ultra-violento e vai se parecer muito com isto", completa, publicando alguns quadrinhos referenciais em seu site.

Bem, se levarmos em conta a série do selo MAX da Marvel, Alexander se mostra realmente fiel, principalmente na comparação com os quadrinhos mostrados no blog. Resta saber se o tom violento e sem noção do personagem também foi mantido.

Punisher:War Zone estréia em 5 de dezembro nos EUA.
Continua...

*ATUALIZADO* Vídeo mostra Duas-Caras em Batman - O Cavaleiro das Trevas

Em mais uma ação da campanha viral do novo filme do Homem-Morcego, a Warner revelou um vídeo pra deixar os fãs malucos! Veja agora no site WhySoSerious a já comentada cena do bar que revela o Duas-Caras no filme. Na época em que foi gravada, foi a prova de que o personagem já daria o ar de sua graça em O Cavaleiro das Trevas.

Em outra notícia relacionada aos virais, o programa Gotham Tonight, apresentado por Mike Engel (Anthony Michael Hall) foi divulgado oficialmente. É só conferir aqui.

ATUALIZAÇÃO: O site de venda Ex Libris acaba de disponibilizar trechos da trilha sonora do filme, composta por Hans Zimmer e James Newton Howard. Confira!

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho, e depois deste vídeo esta data nunca pareceu tão distante!
Continua...

Turma da Mônica terá versão mangá!

Essa notícia ainda não foi publicada aqui, e acho que merece, então lá vai:

As criações de Mauricio de Souza serão transformadas em um mangá para o público adolescente. O título da nova revista é "A Turma da Mônica Jovem" e vai tratar de assuntos mais sérios como drogas, bebidas, sexo e essas coisas do mundo da juventude perdida, hehehe. Isso eu quero ver...

Os personagens estarão numa faixa etária por volta dos 16 anos, sendo que o Franjinha, que sempre foi um dos mais velhos da turma (acho que só fica atrás do Titi), vai ter 20 anos.

Com certeza esse é um passo corajoso para Mauricio de Souza, que poderia manter seus títulos na mesmice de sempre, já que são criações já consagradas e bem estabelecidas nas bancas. Eu estou muito curioso, como fã de mangás, e vou comprar isso quando for lançado pra conferir e até mesmo pra dar meu apoio à iniciativa.

Confira abaixo a imagem da Turma da Mônica "manganizada" (crédito para o Judão):



Sinopse oficial da Globo: Essa galerinha da pesada vai aprontar altas confusões em ritmo de muita aventura pra dar e vender!
Continua...

Crítica: O Incrível Hulk

Essa vai ser a primeira de uma série de mini-resenhas que escreverei no decorrer da semana. A prioridade não podia ser para outro filme que não O Incrível Hulk, mais novo lançamento da franquia de super-heróis produzida pela Marvel Studios. E devo dizer, a Marvel está fazendo um ótimo trabalho, acertando o tom das adaptações de quadrinhos como poucos conseguiram antes. O legal desse filme do Hulk e do filme do Homem-de-Ferro é que eles conseguiram dosar muito bem a ação no decorrer do filme, transmitindo aquela característica dinâmica da leitura de histórias em quadrinhos.

Como sabemos, esse novo filme do Hulk é uma espécie de sequência do filme de 2003, ao mesmo tempo em que é uma recriação da franquia. Isso tem pontos positivos, como o de não perder tempo explicando a origem do personagem, coisa que já foi feita à exaustão no filme de Ang Lee, mas também tem uns pontos negativos, que é o fato de que algumas coisas simplesmente não se encaixam com o conteúdo do primeiro filme. Um exemplo disso é a cena em que o General Ross diz que sua filha Betty Ross (Liv Tyler, linda e sempre com aquela vozinha suave que quase não sai da garganta) irá se impressionar quando ver no que seu amado Bruce Banner é capaz de se transformar. E de fato ela se impressiona. Aí eu pensei: “Mas pô! A Betty já viu o Hulk no primeiro filme!”. Enfim, são detalhes que na verdade podem ser até ignorados porque estamos ali para ver o Hulk esmagando tudo, dentro de uma história coesa e bem amarrada, é claro. E o filme vai bem nesses aspectos.

Um aspecto muito valorizado pelos fãs do filme de 2003 é aquela coisa da sensibilização com relação ao homem que se transforma em monstro e tal. O problema é que, apesar de eu também gostar desse primeiro filme, concordo que ele acabou ficando muito dramático e deixou o potencial do personagem para boas cenas de ação um pouco de lado. Nesse novo filme, Edward Norton é o responsável por boas cenas mostrando Bruce Banner sofrendo como um desgraçado, principalmente no início do filme, quando o cara está refugiado no Brasil (na Favela da Rocinha, é claro... existe lugar mais seguro e amistorso para um americano que não fala português querer se refugiar?), fazendo um bico em uma fábrica de sucos (muito boa a cena entre Banner e o dono da fábrica, aliás, mostra bem o “jeitinho brasileiro” de se fazer as coisas) e tendo aulas particulares de jiu-jitsu com Rickson Grayce (numa participação bem legal que eu não estava esperando ao entrar no cinema).


Aliás, esse é um ponto que eu vou aproveitar pra emendar outro assunto aqui, rapidamente. Não entendo o favoritismo que a imprensa brasileira adota com certas celebridades ao participarem de filmes estrangeiros. Por exemplo, se Rodrigo Santoro aparece fazendo papel de estátua durante 10 segundos de um filme qualquer, você vai ouvir sobre isso durante pelo menos um mês inteiro. A mesma coisa está acontecendo agora com Alice Braga, que antes ninguém nem sabia que existia. Nesse filme do Incrível Hulk tem a participação de Débora Nascimento, que fazia a Andréia Biju na novela Duas-Caras, por isso está bem “fresca” na memória do público brasileiro. E nada foi falado sobre essa participação dela e nem do Rickson Grayce, que é um ícone do esporte (e da pancadaria) nacional (apesar de não ser tão idolatrado quanto os praticantes de esportes olímpicos que nossa imprensa eleva às alturas). E olha que a participação deles supera a de Rodrigo Santoro em "Simplesmente Amor" na minha opinião. Aliás, que espetáculo de mulher essa Débora Nascimento, hein... mas vamos voltar ao assunto “Hulk”, hehehe.

Pois bem, depois de ver o Bruce Banner bancando o mendigo andando por toda a América Latina com roupas rasgadas, descalço, pegando chuva (tudo ao som daquela música triste do seriado de televisão do Hulk), a coisa engrena com o exército perseguindo o sujeito, querendo dissecá-lo e criar vários Hulks em série para fins militares. Para combater o verdão, injetam o soro do super-soldado (aquele mesmo do Capitão América) em um militar malucão e obcecado pelo combate. Daí começam grandes cenas de ação, muito quebra pau, explosões, Hulk detonando tudo e etc. Cara, fico feliz em viver numa época em que a computação gráfica alcançou níveis impressionantes. Acho que ainda era impossível fazer isso em 2003. Lembrem por exemplo da cena desse filme antigo em que o Hulk luta com uns cachorros mutantes. Tudo escuro, não dá pra ver nada... provavelmente pra cobrir as imperfeições da CG.

Outra coisa meio chata no filme de Ang Lee é que o Hulk não tem um oponente à altura. Ele passa o filme todo lutando com uns veículos militares e depois briga com uma energia gigante (O Homem-Absorvente, aliás que nome pra um personagem, hein... fico imaginando um sujeito com poderes de Sempre Livre ou O.B.). Nesse novo filme, o tal sujeito que recebeu o super-soro acaba se transformando em um monstrão mais ameaçador do que o próprio Gigante Esmeralda. É o Abominável! (Ohh!! Pausa dramática!) E devo dizer, grande cena de ação... Dois bichos gigantes e grotescamente fortes se porrando até um deles perecer, e enquanto isso quebrando tudo em Nova York (para desespero de George W. Bush). O Hulk desse filme é tão agressivo quanto o personagem deve ser, e o trabalho de dublagem de Lou Ferrigno (o Hulk da série de TV, que inclusive tem uma ponta no papel de um segurança nesse filme) completou a caracterização adequada. Ainda sobre a cena de luta entre os dois monstros, foi uma bela sequência de ação para um encerramento de filme. O filme do Homem-de-Ferro, por exemplo, ainda é superior no geral a esse filme do Hulk, mas essa cena de luta supera aquela entre o “I am Iron Man” e o Monge-de-Ferro. É pra ver no cinema mesmo.

E temos aqui um belo filme de super-herói. Mais um motivo pra deixar papai Stan Lee orgulhoso de suas criações (ele aliás, como de costume, faz uma aparição bem legal no filme também). Só uma crítica final: Não sei de quem foi a idéia de colocar a cena em que Tony Stark aparece antes dos créditos do filme. Era pra ter encerrado com a última cena de Edward Norton, essa sim com cara de “encerramento da história do Hulk, aguardem a sequência”. A cena do Stark devia ir depois dos créditos, como aconteceu com a cena do Nick Fury no filme do Homem-de-Ferro. Fez muito mais sentido na montagem e serviu como um fanservice mesmo. Agora quem não tá ligado sobre quem são os Vingadores, ou nem tá inteirado sobre essa idéia de produzir um filme da equipe fica boiando no cinema.

E é isso, essa foi minha mini-resenha, com duas páginas do Word. =P

Curiosidades:

- O filme deveria começar com uma cena em que Bruce Banner tenta cometer suicídio no Ártico, dando um tiro na boca. Claro que ele não consegue e o Hulk aparece revoltado. Então, segundo o diretor Louis Leterrier, apareceria o Capitão América congelado. Essa cena foi excluída para que o filme não perdesse a classificação etária de 13 anos. Maldita censura idiota... com certeza ficaria bem mais legal com essa cena.

- As cenas da fábrica de suco na verdade foram rodadas em um galpão no Canadá, mas os atores não eram brasileiros e acabaram falando um português sofrível no estilo daquele falado pela equipe de Penny Widmore na série Lost. Por isso eles aparecem dublados na versão brasileira do filme. E a dublagem ficou muito canalha, tá na cara que foi feita às pressas.

- O carro que aparece sendo usado pelo General Ross e sua equipe nas cenas na Rocinha na verdade é o Caveirão do BOPE (nas tomadas externas).

- HULK ESMAGA!!! GAMA WAVE NELES!!!

Continua...

Re-Enter - O Videocast / programa 2

Sim, amigos! Finalmente saiu a segunda edição do videocast do Re-enter! Desta vez, Alexandre, Fábio e o novo integrante da equipe, Wellington, discutem um pouco sobre a TV brasileira.

Tá esperando o quê? Just push play!

Continua...

Novo poster de The Spirit tem Scarlett Johansson em destaque

Parece que a cada final de semana um novo poster da adaptação dirigida por Frank Miller surge na internet. Desta vez a imagem privilegia a personagem Silken Floss, interpretada pela atriz preferida de Woody Allen. Confira abaixo.

O filme chega aos cinemas em 25 de dezembro deste ano.
Continua...

Mais um trailer para Batman - O Cavaleiro das Trevas

É, parece que agora a Warner voltou as origens de mega-marketing e acaba de lançar mais um trailer da continuação de Batman Begins. O vídeo é exclusivo para os usuários do provedor ComCast, e só está sendo exibido on demand, ou seja, sem download. Mas, já caiu no Youtube. Confira abaixo e aguarde novidades sobre uma possível versão em alta qualidade. Repare que este trailer é mais voltado para Bruce Wayne na introdução, além de conter cenas novas com o Coringa (inclusive uma bem violenta).

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho.
Continua...

Veja agora o teaser de Punisher: War Zone

Aproveitando a estréia de Hulk nesta sexta, a Marvel Studios tratou de colocar online o primeiro teaser trailer do novo filme do Justiceiro. E não é que a prévia é boa? Estou realmente surpreso pois não esperava nada desse filme. Mas parece que a diretora Lexi Alexander fez um bom trabalho.

Veja o vídeo abaixo.



Com Ray Stevenson vestindo a roupa de Frank Castle, desta vez a trama leva o personagem a sua cidade natal nos quadrinhos, Nova York. O vilão da vez será Retalho, interpretado por Dominic West. No elenco ainda temos Colin Salmon, Doug Hutchinson, Wayne Knight (será que o pai dele é fã do Batman?) e Julie Benz. Punisher: War Zone estréia em 5 de dezembro.
Continua...

Cenas Memoráveis - Especial Perseguições

Os Caçadores da Arca Perdida (1981)

Uma vez, publiquei aqui uma cena do primeiro filme de Indiana Jones e disse que era dificil fazer esse tipo de coisa, porque Caçadores contém várias cenas memoraveis. Bem, agora é a chance de postar mais uma.

A perseguição ao comboio nazista que leva a Arca da Aliança é tão bem dirigida, que nem parece não ter sido feita por Steven Spielberg. É isso mesmo. Uma das cenas mais famosas do filme foi, na verdade dirigida pela equipe de Segunda Unidade. O resultado final ficou tão bom, que o diretor não quis mudar ou acrescentar nada. É a sorte de ter um time competente.

Continua...

Novidades do dia!

Veja novo trailer de Star Wars- Clone Wars

A animação que vai proporcionar aos fãs mais uma ida ao cinema para conferir um novo capítulo da saga criada por George Lucas acaba de ganhar mais uma prévia. O filme (na verdade os três primeiros episodios do seriado) mostra eventos entre os Episódios 2 e 3 de Star Wars e estréia em 29 de agosto.

O seriado chega à TV norte-americana em setembro. Veja o vídeo aqui.

Trailer de novo Exterminador do Futuro será lançado com O Cavaleiro das Trevas

Como se os nerds precisassem de mais um motivo pra assistir o novo Batman! A Warner irá lançar o primeiro teaser e o primeiro poster de Terminator Salvation: The Future Begins junto com o novo filme do Morcegão. Ah, e na internet vai sair no mesmo dia também!

O quarto filme da série Exterminador do Futuro estréia em 22 de maio de 2009.

Veja novo comercial de TV de Batman - O Cavaleiro das Trevas

Preciso dizer mais alguma coisa? Clique aqui!
Continua...

Lista de faixas da trilha de Batman - O Cavaleiro das Trevas é divulgada

O CD vai ser lançado em 15 de julho em duas versões: Standard e Limited. Confira a descrição de ambas nos links.

São 14 músicas, totalizando 73 minutos do trabalho dos compositores Hans Zimmer e James Newton Howard. Confira a lista que não segue o padrão de Begins, em que cada faixa tinha o nome de uma espécie de morcego. (cuidado com os spoilers)

1. Why So Serious? 09:14
2. I'm Not A Hero 06:34
3. Harvey Two-Face 06:16
4. Aggressive Expansion 04:35
5. Always A Catch 01:39
6. Blood On My Hands 02:16
7. A Little Push 02:42
8. Like A Dog Chasing Cars 05:02
9. I Am The Batman 01:59
10. And I Thought My Jokes Were Bad 02:28
11. Agent Of Chaos 06:55
12. Introduce A Little Anarchy 03:42
13. Watch The World Burn 03:47
14. A Dark Knight 16:15

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho.
Continua...

MGM revela o teaser poster de Robocop!


Mais uma refilmagem a caminho, senhoras e senhores. A vítima desta vez é Robocop, o policial do futuro que já rendeu 3 filmes, 1 seriado, 1 mini-série, 1 desenho animado e inúmeras versões nos quadrinhos. Embora de tudo isso, só o primeiro filme se salve (e olha que o segundo foi roteirizado por Frank Miller!).

Mas, a MGM já havia mostrado interesse em trazer o personagem de volta. Nesta semana na Licensing International Expo 2008, que acontece em Nova York, o estúdio foi buscar possíveis licenciantes de produtos e apresentou a eles o teaser poster de Robocop (ao lado). E já tem até data de lançamento: 2010.

Não se sabe se a produção seria uma continuação ou uma refilmagem. Até lá, fique ligado aqui no Re-enter para saber das novidades.
Continua...

EXCLUSIVO: Novo trailer de Batman - O Cavaleiro das Trevas (e campanha viral continua!!!)

Ou quase isso. A operadora Verizon lançou nos EUA um pacote especial do novo filme do Morcegão para seus clientes, incluindo uma versão alternativa do último trailer lançado oficialmente pela Warner.

O que muda? A introdução mostra cenas novas e revela um detalhe interessante do roteiro. Na verdade já havia sido revelado por meios não-oficiais, mas...

Em determinado ponto do filme, o Coringa pede ao Batman que se entregue, se quiser Gotham salva. Ok, há algo semelhante no primeiro filme do Homem-Morcego dirigido por Tim Burton, mas... who cares... :P

Confiram abaixo antes que a Warner mande tirar do ar.

Em uma notícia relacionada, o marketing viral do filme promete alguma ação para sexta feira.

Portadores do celular do Coringa nos EUA receberam as seguintes mensagens de texto do e-mail humanresoursces@whysoserious.com: "Palhaços, estão prontos para algumas risadas?" e "Você me faz sorrir. Espero que você não seja supersticioso". Sexta agora é dia 13... então...

Em GothamElectionBoard.com, a votação do Conselho da cidade fica aberta até o dia 12, e o resultado sai já na sexta-feira. E no GothamCableNews.com avisa-se que o programa Gotham Tonight com o apresentador Mike Engel (Anthony Michael Hall) vai ao ar na sexta também. Aproveite para ver a primeira imagem oficial do ator no filme.


Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho.
Continua...

Teasers e Comerciais de TV divulgam os próximos lançamentos nerds

Uma seleção de prévias para vocês:

Comercial de TV de Incrível Hulk tem Tony Stark

Pra aproveitar o sucesso de Homem de Ferro, o novo comercial do filme do Verdão coloca um pedaço da cena em que Robert Downey Jr. participa como Tony Stark, o alter-ego do Ferroso. Confira aqui. Outros 2 comerciais podem ser vistos aqui e aqui.

O Incrível Hulk estréia em 13 de junho.

Confira novo teaser de Madagascar 2

Continuação do sucesso de 2005, Madagascar: Escape 2 Africa ganha um novo teaser trailer. Veja aqui.

Os animais do primeiro filme estão todos de volta, no meio da África, tentando voltar para Nova York quando o leão Alex encontra sua família verdadeira.

A animação estréia em 12 de dezembro no Brasil.

Divulgado teaser de A Pantera Cor-de-Rosa 2

Continuando a blasfêmia do primeiro filme, Steve Martin volta ao papel do Inspetor Closeau, desta vez tentando pegar um ladrão que rouba objetos ao redor do mundo. Confira.

Pantera 2 estréia em 6 de fevereiro de 2009.
Continua...

Especial O Incrível Hulk - O filme de 2003

Em 2003, os filmes da Marvel haviam começado a invadir os cinemas. O primeiro e o segundo X-Men haviam sido um sucesso absoluto e Homem-Aranha ainda estava batendo recordes 2 anos depois de seu lançamento. A editora, então, resolveu investir em praticamente todos seus personagens. Demolidor já havia saído no começo daquele ano, e em junho todos aguardavam ansiosos pela estréia de Hulk, dirigido por ninguem menos que Ang Lee, renomado cineasta chinês responsável por O Tigre e o Dragão e que faria anos depois O Segredo de Brokeback Mountain, garantindo uma merecida estatueta do Oscar na estante.

O problema é que praticamente todo fã do Gigante Esmeralda esperava um remake do antigo seriado disfarçado de adaptação de HQ. Ao contrário, o filme era uma versão atualizada da história e ousava ser sério e adulto demais para os padrões estabelecidos sobre como se fazer um filme de quadrinhos. A produção causou estranheza tanto pelo lado do espectador comum, como da crítica especializada que não foi lá muito generosa nos comentários.

Porém, de forma alguma Hulk é ruim. É provavelmente um dos melhores exemplares de adaptações de quadrinhos já feitas para o cinema. Não é fiel ao original como Homem-Aranha ou Batman Begins, mas constrói tão bem os personagens que fidelidade é a última coisa que importa aqui. Ang Lee, com sua sensibilidade, conseguiu fazer do Dr. Bruce Banner um personagem muito mais complexo do que sua contraparte dos quadrinhos. Muitos chiaram um pouco com o fato do personagem ser alterado genéticamente e os raios gama apenas liberarem uma espécie de mutação latente. Mas, se analisarmos sob o prisma de adaptação, esse tipo de modificação na história é coerente, inclusive, com o que a própria Marvel fez com sua linha Ultimate, uma nova versão de seu universo, construído para uma nova geração de leitores. A interpretação de Eric Bana foi fundamental para essa construção, mostrando o Dr. Banner como um nerd contido e problemático. Ele não é jovem e alegre (apesar dos problemas) como Peter Parker, ou um milionário mimado como Tony Stark, mas sim um humano que passou por uma terrivel experiência na infância tornando-o objeto de pesquisa dos sonhos de qualquer psiquiatra. Pra piorar a situação do pobre cientista, no decorrer da história ele precisa enfrentar o próprio pai, que nos quadrinhos não é o alter-ego do Homem-Absorvente, mas que, novamente, como adaptação, funciona muito bem. Mesmo que o final seja chamado de anti-climax, por sua ação cerebral e abstrata.

Outro fator positivo no Hulk de Ang Lee é a interpretação de Nick Nolte, como o pai de Bruce, David Banner (uma homenagem ao seriado de TV). O ator está fantástico e rouba todas as cenas em que está inserido. Seus diálogos sobre o exército e as religiões são muito bem construídos e embora sejam a motivação do vilão, são muito relevantes ao mundo atual.

O problema, como dito acima, é que este é um filme sério. Adulto. E não uma diversão pra adolescentes alienados. Por isso não deu o lucro que a Universal e a Marvel esperavam. O que atrasou sua continuação em 5 anos. Na verdade, O Incrível Hulk, que estréia na sexta, dia 13, nem pode ser chamado de continuação. É uma retomada da franquia que leva alguns aspectos do filme de 2003 em consideração, mas praticamente reconta a história, de uma forma mais parecida com a série dos anos 70. Os atores mudaram, agora Edward Norton interpreta Bruce Banner. Uma escolha acertada, já que Norton é um dos melhores de sua geração e pode superar, e muito, o que Eric Bana fez com o personagem. Outra modificação óbvia na nova produção é que a história é mais voltada para a ação e menos para o drama, apesar das primeiras resenhas dizerem que as duas coisas estão equilibradas, para surpresa de quem esperava que Louis Leterrier, o novo diretor, fosse fazer um filme mais frenético como seus anteriores Carga Explosiva 1 e 2.

Resta agora saber se a versão de 2003 será suplantada por esta agora, o que particularmente deixaria os fãs muito contentes, ou se com o novo filme, a película de Ang Lee passe a ser mais cultuada, ao invés de receber comentários depreciativos de quem, obviamente não entendeu nem um pouco a proposta do diretor chinês. E, talvez, nem a proposta do personagem original. Uma metáfora psicológica, acima de tudo.

Continua...

Novo pôster mostra mais Eva Mendes como Sand Saref em The Spirit

A adaptação do famoso personagem de Will Eisner, dirigida por Frank Miller, revelou mais um poster. E, novamente o destaque da imagem é Eva Mendes como Sand Saref, o primeiro amor do personagem. Confira (clique para ampliar).

The Spirit estréia na semana do natal de 2008.
Continua...

Vídeo de bastidores revela novas imagens de Batman - O Cavaleiro das Trevas

Um vídeo de Christopher Nolan e William Pfister (diretor e diretor de fotografia) comentando sobre a experiência de filmar usando cameras IMAX caiu na rede esta manhã. Porém, o grande atrativo são as cenas novas reveladas. Há pelo menos duas que deixam qualquer fã maluco. A primeira mostra Bruce Wayne (Christian Bale) tirando a camisa para vestir o uniforme do Batman. A câmera enquadra então suas costas, cobertas de hematomas e cicatrizes, como Alex Ross mostrou na Graphic Novel War on Crime . A outra cena envolve Harvey Dent e uma moeda. Quem sabe da marca registrada de Duas-Caras entende o que estou falando.

Outro atrativo é poder escutar um pouco da nova trilha sonora, outra vez a cargo de Hans Zimmer e James Newton Howard.

Assista o vídeo abaixo ou clique aqui para uma versão em Alta Definição.

Batman - O Cavaleiro das Trevas estréia em 18 de julho.
Continua...

Ken e Ryu não estarão no filme de Street Fighter

É isso mesmo. O vindouro Street Fighter: Legend of Chun Li não trará os dois personagens mais populares do jogo. A notícia foi confirmada pelo Patrick Aiello no blog do filme. "Decidimos explorar mais a origem de Chun-Li. Há personagens demais no universo de Street Fighter para colocar todos em um filme só. Queremos fazer justiça a cada um deles. Ken e Ryu não vão aparecer neste filme, mas não significa que ficarão de fora das continuações".

Já Aaron Horwitz, responsável pelo blog e pelos vídeos de making of, falou um pouco sobre o tom da produção.
"Muito sangue, suor e lágrimas rolaram, e muito disso estará no filme. Queremos algo mais sombrio, dramático, realista e, claro, cheio de ação."

Sobre os uniformes: "Dito isso [que os realizadores buscam algo realista] seria bobo colocar Neal McDonough na roupa vermelho vivo de Bison, com aquelas ombreiras e o chapéu de capitão. Funciona muito bem no videogame, mas na vida real não é muito intimidador. O mesmo pode ser dito de Balrog. Ele é um assassino, um brigão. Como ele poderia ser ameaçador se andasse pela tela batendo nas pessoas com luva de boxe? Claro que não deixamos o jogo de lado. A certa altura Chun-Li vai usar o penteado clássico e, claro, Vega ainda tem a máscara e a garra, só pra começar".

É, deixar Ken e Ryu de fora é como tirar o Wolverine de um filme dos X-Men... mas, quem sabe, se realmente houverem continuações, os dois apareçam.

Continua...

Crítica: As Crônicas de Nárnia: Príncipe Caspian

É uma tradição. O segundo filme quase sempre é mais sombrio que o primeiro. Seja nos temas, na quantidade de violência ou no próprio clima proposto pelo diretor. Em Príncipe Caspian, novo exemplar da franquia Crônicas de Nárnia, isso não é diferente.

Na história, os órfãos do primeiro filme estão novamente na Inglaterra. No mundo real, apenas 1 ano se passou, mas em Nárnia foram 1300 anos desde que os irmãos abandonaram o trono que lhes era de direito. Os animais falantes foram quase extintos, assim como a maioria dos habitantes mágicos. Agora são os humanos que proliferam, governados pelo cruel Regente Lorde Miraz, que ao nascimento de seu primogênito ordena o assassinato do próprio sobrinho, Príncipe Caspian, legítimo herdeiro do trono. Na fuga, o jovem príncipe inadvertidamente toca a trombeta de Suzana, fazendo com que ela, Pedro, Edmundo e Lucia, voltem a Nárnia. Unindo-se a Caspian, os irmãos lideram uma rebelião para trazer de volta a justiça ao mundo mágico.

Até a maneira que o filme começa já anuncia a mudança no visual mais limpo do primeiro filme. A sequência que mostra a fuga do príncipe se passa a noite, no meio de rios e florestas, que juntos foram um cenário um tanto assustador, levando em conta que este é um filme voltado para crianças.

Porém, o que funciona muito bem em livros, no cinema é um tanto estranho: não da pra levar muito a sério um filme (e o roteiro leva a história muito a sério, mesmo com sequências cômicas) que mostra ratinhos espadachins ou doninhas lutando numa batalha com soldados humanos. Talvez por isso a primeira produção não tenha convencido tanto a crítica, que esperava algo parecido com Senhor dos Anéis. Pelo menos neste segundo filme, as batalhas envolvem mais personagem humanos e menos bichinhos bonitinhos, o que também torna as sequências mais violentas, já que temos um pouco, algumas gotas, pra ser mais exato, de sangue, desta vez.

Outro fator que atrapalha é a falta de habilidade do diretor Andrew Adamson em dirigir os atores mirins. Isso porque Adamsom vem do mundo das animações em 3D (Shrek e Shrek 2). Talvez explique inclusive que os personagens animados, tanto do primeiro como do segundo Crônicas de Nárnia, tenham mais profundidade do que os humanos. Um pouquinho mais de tato da parte dele não teria deixado o ator William Moseley, que interpreta Pedro, ficar bicudo o tempo todo pra demonstrar rebeldia adolescente.

No resultado geral, Principe Caspian é até melhor que o primeiro por ousar um pouco mais ao ser mais sombrio e não ficar muito preso à referências bíblicas que C.S. Lewis usou nos livros. Mas ainda, ao final da exibição, fica aquela sensação de que precisava de algo mais. Talvez os próximos filmes convençam mais, já que para o terceiro, Michael Apted já teve o nome divulgado como diretor. Este sim, acostumado a dirigir pessoas e não pixels.

Continua...

Novo trailer de O Procurado e comercial de TV de Incrível Hulk caem na rede

A estréia das duas adaptações está chegando e o marketing aumenta cada vez mais. O Incrível Hulk acaba de ganhar um novo comercial de TV, que você confere aqui. O filme chega aos cinemas em 13 de junho, com Edward Norton no papel do Verdão.

Já O Procurado, adaptação da Graphic Novel de Mark Millar, ganhou um novo trailer com cenas até então, inéditas. Veja aqui. O filme estréia em 27 de junho e mostra James McAvoy (Desejo e Reparação) como o fracassado Wesley Gibson, que descobre ser herdeiro de um dos mais poderosos assassinos do planeta, misteriosamente assassinado. A revelação é seguida de uma proposta: ele receberá 50 milhões de dólares se conseguir tornar-se tão bom quanto o pai. Para tanto, terá que passar por seis meses de treinamento com outros vilões.

Wanted é dirigido pelo russo Timur Bekmambetov.

Continua...

Novo trailer de Incrível Hulk é distribuido em DVDs promocionais nos EUA

E, como nada fica restrito na internet, a nova prévia já está disponível no Youtube. O vídeo tem uma narração que remete imediatamente ao seriado de TV, e pra quem presta atenção nessas coisas, a música tema do antigo programa também é usada como trilha. Confira abaixo.



O Incrível Hulk estréia em 13 de junho.
Continua...

Notícias do dia!

Confira 10 minutos de making of de O Incrível Hulk

O novo filme do verdão estréia em 13 de junho e o Omelete postou um interessante vídeo mostrando os bastidores da produção dirigida por Louis Leterrier. Confira.

Ninja Assassin, novo filme produzido pelos Wachovsky, tem sinopse revelada

As filmagens começaram no final de semana e junto com a sinopse oficial, foi revelado que J. Michael Straczynski (se Wachovsky é sopa de letrinhas, esse cara é o que então?) é co-roteirista do filme, ao lado de Matthew Sand. Quem dirige é James McTeigue (V de Vingança).

"Ninja Assassin segue Raizo (Jung 'Rain' Ji-hoon), um dos assassinos mais mortais do mundo. Tirado das ruas ainda garoto, ele foi transformado em um matador treinado pelo Clã Ozunu, sociedade secreta cuja existência é considerada um mito. Mas assombrado pela execução sumária de um amigo pelo Clã, Raizo se rebela... E desaparece. Agora ele aguarda, preparando sua vingança com exatidão.

Em Berlim, a agente da Europol Mika Coretti (Naomie Harris) rastreia dinheiro que liga vários assassinatos políticos com uma rede do submundo de matadores do Oriente que não deixam pistas. Desafiando ordens de seu superior, Ryan Maslow (Ben Miles), Mika busca dos arquivos ultra-secretos da agência a verdade por trás dos homicídios.

A investigação faz dela um alvo, e o Clã Ozunu manda um time de assassinos, liderados pelo letal Takeshi (Rick Yune), para silenciá-la. Raizo salva Mika, mas sabe que o Clã não vai descansar até que ambos estejam mortos. Enroscado em um jogo fatal de gato e rato pelas ruas da Europa, Raizo e Mika devem confiar um no outro se desejam sobreviver - e finalmente derrubar o Clã Ozunu."

Frank Miller fala sobre The Spirit e Sin City

Pros fãs chiitos (ou chaatos) que reclamaram do visual do filme The Spirit dirigido por Frank Miller, o diretor/quadrinhista colocou no blog do filme um texto que explica até onde vão as semelhanças com Sin City.

"The Spirit é, com todo o esforço que tenho colocado no filme, algo longe de um monumento velho, enferrujado e empoeirado ao trabalho do meu amado mentor. É mais uma extensão do que, pelo que sei, era a intenção central de Eisner: criar algo novo, radical e inovador. Foi o que ele fez. É o que eu estou fazendo.

Só lembra Sin City pelo fato de ser eu o diretor - e, bem, eu tenho meus estilos e minhas inclinações. Por sorte, eu fui capaz de identificar três inclinações que divido com o mestre. Ambos amamos boas histórias. Ambos amamos Nova York. E ambos amamos belas mulheres.

Sobre a roupa azul [como Spirit originalmente se veste nos quadrinhos]. Antes da impressão digital, quadrinhos tinham o problema das cores de certas tintas no papel, e tudo que era preto acabava impresso em azul por necessidade. Em testes - e fizemos vários - o azul fazia o Spirit ficar parecendo na tela um convidado azarado numa festa de Dia das Bruxas. Optar pelo preto traz de volta seu mistério essencial, sua sensualidade tipo Zorro. E isso faz o vermelho da gravata ficar mais legal.

E The Spirit é uma espécie de Sin City Redux? Não. Sin City, meus amigos, é meu bebê, e tem aquela cara por suas próprias razões. Spirit é e sempre será o Spirit de Eisner. Qualquer pessoa que visse o set poderia atestar: eu frequentemente desenhava um storyboard para determinada cena primeiro da maneira como eu imaginava, depois desenhava da maneira como Will imaginaria. Em todos os casos acabei escolhendo a versão de Will.

A despeito da primeira impressão deixada pelo teaser trailer fodão, The Spirit é um filme a plenas cores. E Sin City - do qual eu espero construir uma trilogia, chova ou faça sol - é basicamente preto-e-branco."


Continua...

Ouça trilha sonora de Procurado

O filme, adaptação da Graphic Novel Wanted, estréia em 27 de junho, mas sua trilha sonora incidental já pode ser conferida no MySpace. Composta por Danny Elfman, o álbum traz como curiosidade uma música cantada pelo próprio músico, lembrando seus dias de vocalista do Oingo Boingo.

Pra quem aprecia o trabalho de Elfman vale a pena conferir a faixa The Little Things.
Continua...
 
Copyright (c) 2010 Blogger templates by Bloggermint